Diario de Pernambuco
Busca

SUPREMO

Mendonça mantém 'saidinha' para preso que ganhou benefício antes de lei

Ministro ressaltou que a Constituição prevê que a lei penal não pode retroagir, exceto para beneficiar o réu

Publicado em: 29/05/2024 17:19 | Atualizado em: 29/05/2024 17:20

Ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal  (foto: Gustavo Moreno/SCO/STF)
Ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (foto: Gustavo Moreno/SCO/STF)

O ministro André Mendonça do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu manter o benefício de saída temporária concedido a um homem condenado por roubo em Minas Gerais. A decisão foi assinada nesta terça-feira (28). 

 

O ministro reconheceu que a Lei 14.836/2024, norma que acabou com as saidinhas de presos, não pode retroagir para alcançar detentos que tinham direito ao benefício. Mendonça ressaltou que a Constituição prevê que a lei penal não pode retroagir, exceto para beneficiar o réu.

 

No habeas corpus analisado pelo ministro, o condenado ganhou o direito ao trabalho externo e às saídas temporárias em outubro do ano passado. Contudo, em abril deste ano, com a sanção parcial da lei, o Ministério Público pediu a revogação do benefício, que foi suspenso pela Justiça de Minas Gerais.

 

"Tendo em vista o princípio da individualização da pena, o qual também se estende à fase executória, consistindo em inovação legislativa mais gravosa, faz-se necessária a incidência da norma vigente quando da prática do crime, somente admitida a retroatividade de uma nova legislação se mais favorável ao sentenciado", afirmou.

 

 

 

Derrubada de veto

 

Ontem, o Congresso derrubou o veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva que trata das saídas temporárias de presos. Em abril, Lula sancionou, com veto, o projeto de lei (PL).

 

O veto autorizava a saída temporária para presos do semiaberto que queriam visitar as famílias. Lula manteve a proibição da saída para condenados por crimes hediondos e violentos, como estupro, homicídio e tráfico de drogas.

 

Com a derrubada do veto pelo Congresso, os novos casos de saidinhas ficam proibidos.

MAIS NOTÍCIAS DO CANAL