Diario de Pernambuco
Busca

ATOS ANTIDEMOCRÁTICOS

Oposição divulga manifesto contrário a ato de um ano do 8 de janeiro

Encabeçada pelo líder da oposição, Rogério Marinho (PL-RN), e assinada por outros 29 senadores, a nota critica, ainda, o inquérito das fake news, do Supremo Tribunal Federal (STF)

Publicado em: 05/01/2024 18:51


Encabeçados pelo líder da oposição no Senado, Rogério Marinho (PL-RN), os 30 signatários afirmam que há um "abuso de poder" por parte do Supremo Tribunal Federal (STF) e que "a volta à normalidade democrática não pode mais esperar" (foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
Encabeçados pelo líder da oposição no Senado, Rogério Marinho (PL-RN), os 30 signatários afirmam que há um "abuso de poder" por parte do Supremo Tribunal Federal (STF) e que "a volta à normalidade democrática não pode mais esperar" (foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

A oposição ao governo Lula no Congresso divulgou, nesta sexta-feira (05), um manifesto contrário ao ato Democracia inabalada da próxima semana que marca um ano dos ataques aos Três Poderes de 8 de janeiro, que ocorrerá no Salão Negro do Congresso.

 

Encabeçados pelo líder da oposição no Senado, Rogério Marinho (PL-RN), os 30 signatários afirmam que há um “abuso de poder” por parte do Supremo Tribunal Federal (STF) e que “a volta à normalidade democrática não pode mais esperar”. O comunicado engloba nomes de sete partidos — PL, PP, Republicanos, PSDB, PSD, Podemos e União Brasil — e destes, quatro têm ministérios (PP, Republicanos, PSD e União).

 

Os senadores condenam “vigorosamente os atos de violência e a depredação dos prédios públicos ocorridos em 8 de janeiro de 2023, em Brasília” e citam uma declaração do presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), de novembro do ano passado. Na ocasião, ele disse que “nenhuma instituição tem o monopólio da defesa da democracia no Brasil”.

 

“A democracia é um valor conquistado com grande esforço e sacrifício ao longo da história, e sua preservação está intrinsecamente ligada ao engajamento e ao respeito mútuo entre todas as esferas do poder público. Cada instituição possui um papel específico no fortalecimento dos alicerces democráticos. Ao contrário do que afirmado pelo presidente Lula, a democracia, para nós, não é relativa”, diz a nota.

 

Os parlamentares criticam, ainda, o inquérito das fake news que está no Supremo, alegando que a Corte faz “uso indevido de interpretações de dispositivos constitucionais” e que isto poderia “matar a democracia”. Segundo a nota, o processo estaria provocando uma “situação inusitada” em que o STF é “vítima, investigador e julgador”.

 

“Esse procedimento foge ao padrão estabelecido pelo sistema jurídico brasileiro de separação entre as funções de julgar e acusar, princípio basilar do nosso sistema jurídico, suscitando questionamentos sobre a legalidade de sua origem e sobre a garantia do devido processo legal”, observa o pronunciamento.

 

Sobre os presos pelos ataques aos prédios do STF, Congresso e Palácio do Planalto, o comunicado avalia que os golpistas estariam sendo condenados a “penas abusivas que variam entre 13 e 17 anos de reclusão”.

 

“A título de ilustração, observamos que dois cidadãos que depredaram a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, na data de 6 de dezembro de 2023, foram libertados no dia seguinte e vão responder em liberdade, enquanto cidadãos que participaram dos atos do 08.01.2023 responderam ao processo presos (inclusive um réu faleceu após 9 meses de prisão com parecer do MPF [Ministério Público Federal] favorável à liberdade provisória), e vêm sendo condenados a penas abusivas que variam entre 13 e 17 anos de reclusão”, exemplificaram os senadores.

 

Vídeo: objetos roubados e destruídos no 8/1 voltam à exposição na Câmara

“Diante dessas situações, é sempre bom lembrarmo-nos dos ensinamentos de Montesquieu sobre a importância da justiça e da igualdade perante a lei para a estabilidade e a harmonia de uma sociedade democrática: ‘A injustiça que se faz a um é uma ameaça que se faz a todos’”, completam eles.

 

Os senadores finalizam a nota pedindo por um “um esforço conjunto, pautado na colaboração entre as instituições, no respeito às leis e na valorização dos valores democráticos, para enfrentar os desafios e preservar esse bem tão valioso para o povo brasileiro”.

 

 

“Destarte, conclamamos a todos para que vivamos num ambiente de tolerância e evitemos a perseguição a qualquer custo aos que pensam diferente”, finaliza o manifesto.

 

 

Confira a lista de senadores que assinaram a nota:

 

 

  • Rogério Marinho (PL-RN) – Líder da Oposição no Senado
  • Ciro Nogueira (PP-PI) – Líder da Minoria no Senado
  • Flávio Bolsonaro (PL-RJ) – Líder da Minoria no Congresso
  • Carlos Portinho (PL-RJ) – Líder do PL no Senado
  • Tereza Cristina (PP-MS) – Líder do PP no Senado
  • Mecias de Jesus (Republicanos-RR) – Líder do Republicanos no Senado
  • Izalci Lucas (PSDB-DF) – Líder do PSDB no Senado
  • Eduardo Girão (Novo-CE) – Líder do Novo no Senado
  • Alan Rick (União-AC)
  • Cleitinho (Republicanos-MG)
  • Damares Alves (Republicanos-DF)
  • Dr. Hiran (PP-RR)
  • Eduardo Gomes (PL-TO)
  • Esperidião Amin (PP-SC)
  • Hamilton Mourão (Republicanos-RS)
  • Jaime Bagattoli (PL-RO)
  • Jayme Campos (União-MT)
  • Jorge Seif (PL-SC)
  • Luiz Carlos Heinze (PP-RS)
  • Magno Malta (PL-ES)
  • Márcio Bittar (União-AC)
  • Marcos do Val (Podemos-ES)
  • Marcos Pontes (PL-SP)
  • Marcos Rogério (PL-RO)
  • Nelsinho Trad (PSD-MS)
  • Plínio Valério (PSDB)
  • Sérgio Moro (União-PR)
  • Styvenson Valentim (Podemos-RN)
  • Wellington Fagundes (PL-MT)
  • Zequinha Marinho (Podemos-PA)

 

 

 

Confira as informações no Correio Braziliense

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL