Diario de Pernambuco
Busca

INVESTIGAÇÃO

Exército conclui que não houve indícios de crime de militares no dia 8 de janeiro

Justiça militar, porém, condenou um coronel da reserva até o momento

Publicado em: 05/01/2024 21:19 | Atualizado em: 05/01/2024 21:33

Apurações internas resultaram apenas em duas punições disciplinares (foto: Divulgação/GovBR)
Apurações internas resultaram apenas em duas punições disciplinares (foto: Divulgação/GovBR)

O Exército Brasileiro informou, nesta sexta-feira (5), que as sindicâncias internas realizadas sobre os atos golpistas de 8 de janeiro concluíram que não houve indícios de crime nos casos investigados.

 

Também afirmou que, após a apuração, duas punições disciplinares foram dadas aos militares envolvidos. As punições ocorreram por transgressões disciplinares na conduta e procedimentos adotados durante a ação no Palácio do Planalto.

 

O Exército diz ainda que instaurou quatro inquéritos policiais militares e outros quatro processos administrativos para apurar crimes ou desvios de condutas de militares. Concluídos os inquéritos, foram encaminhados à justiça militar, que condenou, até o momento, um coronel da reserva do Exército.

 

 

Marinha

 

Já a Marinha informou que instaurou procedimentos administrativos contra três militares: sendo um oficial reformado, após registro fotográfico em frente ao Congresso; um praça reformado, que tinha sido preso pela Polícia Militar do Distrito Federal, mas que a justiça militar arquivou a denúncia; e uma praça da reserva, presa também pela PM, e que responde em liberdade provisória como ré em ação no Supremo Tribunal Federal.

 

O Exército destacou seu compromisso com a legalidade e transparência na prestação de informação à sociedade e no combate a desinformação.

 

 

 

Já a Marinha afirmou que pauta sua conduta pela fiel observância da legislação, valores éticos e transparência.

 

Procurada, a Força Aérea não respondeu sobre o assunto até o fechamento desta reportagem.

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL