Diario de Pernambuco
Busca

TRANSPARÊNCIA INTERNACIONAL

Dino critica ranking de corrupção e diz que relatório faz "afirmações exóticas"

O ministro reprovou o documento que apontou piora do país no no Índice de Percepção de Corrupção (IPC) e disse que a PF realizou mais de 220 operações de combate a esse tipo de crime

Publicado em: 31/01/2024 16:53


O ministro da Justiça, Flávio Dino, durante a apresentação de um balanço da segurança pública em 2023, em cerimônia no Palácio do Planalto  (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
O ministro da Justiça, Flávio Dino, durante a apresentação de um balanço da segurança pública em 2023, em cerimônia no Palácio do Planalto (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, criticou o relatório que aponta piora do Brasil no ranking que avalia a corrupção no mundo. O estudo, divulgado pela entidade Transparência Internacional, mostra que o país perdeu dois pontos e caiu 10 posições no Índice de Percepção de Corrupção (IPC) de 2023. O futuro ministro do Supremo Tribunal Fderal (STF) disse ter recebido com “espanto” o documento, o qual chamou de “atípico” e “anômalo”.

 

“Afirmações bastante exóticas nesse estudo. Eu demonstro aqui que a Polícia Federal continua firmemente, todos os dias, combatendo a corrupção. O que mudou é que pusemos fim à política de espetacularização do combate à corrupção, que é uma forma de corrupção”, declarou Dino.

 

O ministro apresentou dados do trabalho realizado pela Polícia Federal para combater a corrupção em 2023. De acordo com as informações divulgadas por Dino, em coletiva de imprensa realizada no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira (31), a PF deflagrou 227 operações, realizou 147 prisões, cumpriu 2.091 mandados de busca e apreensão e apreendeu R$ 897 milhões em bens e valores.

 

“Quem usa o combate à corrupção como bandeira política é tão corrupto quanto o corrupto. Essa foi a mudança da espetacularização que nós fizemos, mas as operações aí estão”, ressaltou Dino. O ministro disse que mudanças legais também levaram à redução "da banalização da prisão preventiva".

 

 

Abaixo da média global

 

Segundo dados divulgados na terça-feira (30), o Brasil ocupa a 104ª colocação entre os 180 países avaliados pela Transparência Internacional. O IPC é o maior indicador de corrupção do mundo e avalia os países com notas em uma escala entre 0 e 100. Quanto maior a nota, maior é a percepção de integridade do país.

 

O Brasil alcançou 36 pontos em 2023, o que, segundo a entidade, representa um desempenho ruim, pois coloca o país abaixo da média global, que é de 43 pontos.

 

 

Confira as informações no Correio Braziliense

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL