Diario de Pernambuco
Busca

ELEIÇÕES 2022

Julgamento do Supremo sobre Lei de Improbidade divide juristas

Publicado em: 02/08/2022 15:40

 (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A.Press)
crédito: Minervino Júnior/CB/D.A.Press
O julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) do tema 1.199, nesta quarta-feira (3), movimenta o meio jurídico e político porque poderá modificar as regras de aplicação da nova Lei de Improbidade Administrativa (14.230/21) e afetar o rumo das eleições de 2022. Embora juristas defendam a retroatividade da lei nos mesmos padrões do direito penal, opositores da proposta apontam que a sua aprovação provocará a "anistia" aos agentes e servidores públicos que respondem a processos por irregularidades na gestão pública.

O julgamento definirá a necessidade de ficar comprovada a intenção do acusado de cometer crime no exercício de função pública para que haja a configuração de um ato de improbidade administrativa. Por efeito, deverá definir os novos prazos de prescrição a serem aplicados. Por isso, caso sejam reduzidos, por exemplo, poderá devolver a elegibilidade a políticos que já sofreram condenações pela Justiça e estão impedidos de disputar eleições.

Diversas manifestações contrárias e favoráveis foram juntadas ao processo nos últimos dias. Entre elas, representações do Ministério Público nos estados assumiram posição contrária à aprovação da proposta.

Entre os amicus curiae que farão sustentação oral contra a matéria está Fabiano Dallazen, ex-procurador-geral de Justiça do Rio Grande do Sul e representante institucional do MPRS no caso, que explica que há forte temor quanto à aprovação da tese em questão. "A retroatividade vai gerar uma anistia oblíqua para condenados ímprobos, que estão condenados por dilapidar o patrimônio público, apagando para eles inclusive os efeitos da Lei da Ficha Limpa. Ou seja, um imenso retrocesso no combate à corrupção e à integridade do pleito eleitoral que se avizinha. As consequências seriam desastrosas", avalia.

Para Dallazen, somente a lei penal tem previsão constitucional de retroagir. "É exceção e a regra é a irretroatividade, que abarca as sanções administrativas. A questão da segurança jurídica, pois os prazos de prescrição reduzidos fulminariam processos que andavam dentro dos prazos, até então, legalmente estipulado", aponta.

O debate sobre a extensão da previsão constitucional de reconhecer a retroação em benefício do réu, conforme o direito penal, não deverá ser argumento para derrotar a proposta. Autor do parecer da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que defende a aprovação da matéria pelo STF, o advogado Fábio Medina Osório explica que há similaridade da aplicação da lei. "No parecer, sustento que as normas que tutelam a improbidade pertencem ao campo do direito administrativo sancionador e, por isso, submetem-se às mesmas garantias do direito penal, conforme orientação do tribunal europeu de direitos humanos e das nações civilizadas. O Ministério Público, ao contrário, argumenta que a garantia da retroatividade se aplica apenas no direito penal e não à improbidade", avalia.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

Lula sobre corrupção: 'No meu governo houve investigação e transparência'

17/08/2022 às 22h54

'Os servidores terão reajuste no ano que vem', promete Bolsonaro

17/08/2022 às 22h32

Bolsonaro promete zerar impostos sobre combustíveis também em 2023

17/08/2022 às 22h24

PF afirma que Bolsonaro incitou crime ao relacionar vacina e Aids

17/08/2022 às 22h16

Soraya Thronicke propõe substituir impostos federais por um só tributo

17/08/2022 às 21h11

Vera Lúcia quer garantia de igualdade na disputa eleitoral

17/08/2022 às 21h02

Sofia Manzano defende investimentos em instituições públicas

17/08/2022 às 20h59

Felipe D%u2019Avila defende melhora do ensino básico

17/08/2022 às 20h56

Câmara do Rio rejeita recurso de vereador contra pedido de cassação

17/08/2022 às 20h39

STF retoma julgamento sobre nova Lei de Improbidade

17/08/2022 às 20h37

Desfile de 7 de Setembro foi cancelado no Rio de Janeiro, diz prefeito

17/08/2022 às 20h32

Lula: 'Bolsonaro decidiu tentar enganar o povo às vésperas da eleição'

17/08/2022 às 19h52

Senado aprova marco regulatório para exploração de energia em alto mar

17/08/2022 às 19h50

General toma posse como ministro do Superior Tribunal Militar

17/08/2022 às 19h49

Carlos explica presença na posse de Moraes: 'Pedi para ir e meu pai deixou'

17/08/2022 às 19h39

Candidato se encontrou com representantes do Brasil Competitivo

Felipe DAvila defende melhora do ensino básico

17/08/2022 às 19h28

Processo contra Gabriel Monteiro deve ser votado nesta quinta-feira

Câmara do Rio rejeita recurso de vereador contra pedido de cassação

17/08/2022 às 19h14

Fecomércio-PE promoverá rodada de debates com cinco dos/as 11 candidatos/as ao governo de PE

17/08/2022 às 18h58