Diario de Pernambuco
Busca

ENTREVISTA

Avanço da polarização na América Latina preocupa políticos portugueses

Publicado em: 06/08/2022 14:47

 (Foto: PATRICIA DE MELO MOREIRA)
Foto: PATRICIA DE MELO MOREIRA
O jornalista e jurista Paulo Portas é um dos mais influentes políticos de Portugal. Ex-vice-primeiro-ministro e ex-ministro de Negócios Estrangeiros de seu país, Portas é um defensor convicto da democracia representativa e da diplomacia como instrumento para superar crises. Mas ele está preocupado com a radicalização política que avança não só na Europa, mas em todo o mundo e, em especial, na América Latina. E aponta as redes sociais como um dos fatores dessa crise. Em recente visita ao Brasil, Portas conversou com o Correio sobre geopolítica e a “fraqueza do multilateralismo”, e tece críticas ao que chama de democracia das redes sociais.

O multilaterismo entrou em colapso?
 
Acho que entrou em fraqueza. As organizações multilaterais não estão capazes de responder à gravidade dos desafios. Em todo caso, se a gente pensar quais foram as organizações internacionais que foram relevantes durante a pandemia, em termos regionais, a União Europeia foi relevante, porque aprendeu a fazer compras conjuntas e a gerir calendários de vacinação numa área, da saúde, que não é política comum. E, em termos internacionais, apesar dos seus limites, acho que a Organização Mundial de Saúde (OMS) foi relevante. Mas, basicamente, muitas organizações não foram relevantes.

Por exemplo?
 
Nesta crise da Ucrânia, por exemplo, as Nações Unidas. Citei como metáfora: Será possível que, no dia em que o secretário-geral da ONU vai a Kiev, a Rússia, que é membro do Conselho de Segurança, decida bombardear Kiev? É entre a falta de respeito e a humilhação. E há muito pouco espaço para a diplomacia.

Por quê?
 
Uma das razões é porque os dois lados estão convencidos de que podem ganhar. E isso não favorece o início de uma negociação, ao contrário do que se pensa. E há poucas entidades, neste momento, capazes de fazer uma mediação. Houve muitos países da União Europeia que pediram à China para fazer uma mediação e a China não quis. Provavelmente, pensou que ficaria com um problema nos braços e não iria conseguir resolver.

Foi medo de ser culpada pelo fracasso, se houvesse?
 
Isso. Por exemplo, essa pequena grande negociação que seria libertar as exportações de cereais, que são da Ucrânia e a Rússia não deixa exportar — embora haja responsabilidades das minas colocadas no mar de ambas as partes —, mas, objetivamente, a Rússia sequestrou uma parte do trigo ucraniano e ele não consegue sair de Odessa. São 85 barcos parados em Odessa. E 22,5 milhões de toneladas que fazem muita falta à alimentação, principalmente, do Norte e do Leste da África. Precisávamos de organizações internacionais mais efetivas, mais mediadoras e com mais poder para evitar situações destas.

Como vê o papel da ONU daqui para frente?
 
A ONU tem duas entidades nas duas coisas que falamos: Organização Mundial de Saúde e a FAO. É indiscutível o trabalho que fazem, mas, numa situação de conflito, aparentemente não chega para restabelecer os canais. A globalização teve muitos benefícios, especialmente ao Hemisfério Sul. Vejo críticas ao Hemisfério Norte.

Quais os benefícios da globalização?
 
Foi tirar muita gente da pobreza extrema. Minha questão é: Será que aprendemos as lições da pandemia ou desta guerra da Ucrânia e, na próxima crise global, estaremos mais bem preparados? Essa é a questão decisiva. Pode ser que a próxima crise seja sobre o clima. Há muitos indicadores que apontam para isso. E, se chegar — quando chegar —, nós aprendemos com as falhas na pandemia e com as falhas nesta situação em pleno século XXI, ainda ser possível uma guerra entre nações no extremo da Europa? Esse é o meu ponto. Precisamos de um sério reforço e modernização do multilateralismo.

O senhor vê grandes líderes capazes de empreender essas mudanças?
 
Não. Vou falar do mundo democrático, daqueles que escolhem seus líderes. Estamos a escolher cada vez mais pessoas extremas. Os moderados têm muita dificuldade em viver nesta democracia do “social media” (mídias sociais). E isso não é bom para o futuro, com toda a franqueza. As pessoas já deviam ter percebido o que aconteceu nos Estados Unidos. Os Estados Unidos iam tendo um golpe de Estado no dia 6 de janeiro de 2021.

A invasão do Capitólio…
 
...na mais forte democracia do mundo. Tudo aquilo foi espalhado pelo “social media”. Usando o social media. A internet é fantástica. Mudou as nossas vidas, foi a revolução mais importante das nossas vidas. Mas, atenção: As vanguardas políticas que tomaram conta das plataformas, essas eu acho que são constantemente um fator de radicalização, de insulto, não se consegue ter uma discussão serena. As pessoas acabam por insultar-se umas às outras. Não querem ter razão, querem insultar o adversário. Isso acaba resultando em pouco espaço para o compromisso, para o acordo. E estamos a ver isso em muitos países do mundo democrático. Além disso, há cada vez mais pessoas a viver em regimes autoritários.

Há esse perigo no Brasil?
 
Seria muito pouco educado da minha parte falar sobre um tema tão sensível.

Mas, estamos vivendo uma polarização nesse momento.
 
Toda a América Latina está. Acho que um português deve abster-se de fazer comentários sobre a política externa brasileira, mas posso contextualizar. Toda a América Latina está a viver um ciclo, já foi assim na Bolívia, de uma forma extremada, no Peru, será assim na Colômbia, e, certamente, com influência das redes sociais e da captura que as redes sociais políticas fazem da agenda, a América Latina está vivendo um momento de extrema polarização, em que você não tem nem centro-esquerda nem centro-direita. Tem extrema esquerda e extrema direita. Não tem um pouquinho de gente razoável no meio? Acho que o progresso das sociedades não se faz por extremos. Se faz por acordo, passo a passo, compromisso, negociação, reforma. Está muito difícil. Acho que a América Latina teria uma oportunidade de sair desta crise global: A América Latina é produtora natural de energia e de alimentos para o mundo. O mundo está a viver um período de escassez de alimentação pelos fatores que já mencionei, e uma alta de preços descontrolada da energia.

Em relação à Europa, também vivemos essa polarização?
 
Houve eleições na França. Os franceses são, talvez, o povo mais político da Europa. 52% não foram votar. Acho que isso nos devia abrir os olhos. O que está passando nas democracias europeias? É outro sintoma de que alguma coisa não está bem. Isso nos deveria nos pôr a pensar sobre alguma doença que está a atingir as democracias.

A democracia está doente mesmo?
 
Eu acho que há um cansaço da ideia de que há margem de manobra para fazer a diferença, há um cansaço da corrupção. Os europeus tornaram-se povos que não estão dispostos a renunciar a nada. Atingiram um nível de conforto muito grande. Querem o melhor de todos os mundos ao mesmo tempo. Às vezes, isso não é possível. O Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia) na mais antiga democracia da Europa, com uma enorme manipulação dos argumentos, é algo a se pensar. É preciso sublinhar que, na chamada democracia digital, não há passado e não há longo prazo. O passado foi ontem à noite e o longo prazo é amanhã de manhã, na melhor das hipóteses.

E não se aprofundam os temas?
 
Nada. Eu disse ali: Quase nenhum problema que o mundo tem para resolver é simples, não cabe em 142 caracteres. E, portanto, essa democracia digital leva a uma simplificação do que é complexo. A simplificação chama a manipulação. Uma parte significativa das contas e dos perfis é falsa. A gente chega a um ponto de discutir com pessoas que não existem e aceitamos isso. E isso que eu acho revelador: Aceitamos isso. Estou um pouco preocupado com o predomínio da radicalização e do curto prazo, e da ideia de que há soluções mágicas para coisas que não têm soluções mágicas.

Por exemplo?
 
A inflação não tem solução mágica, é um tema muito complexo. A inflação tem um componente de energia grande e não há magia. Subir os juros prejudica a economia, mas é a única maneira de controlar a inflação. Vocês, no Brasil, sabem muito bem o que é o dragão da inflação. Tenho uma admiração muito grande por um homem que ajudou a trazer racionalidade econômica ao Brasil, o presidente Fernando Henrique Cardoso, de quem eu gosto muito.

O que é possível fazer nessa preparação em relação à ordem internacional, por exemplo?
 
Há alguns pilares de estabilidade possíveis para que a imprevisibilidade seja menor. A relação entre a China e os Estados Unidos, por exemplo. É evidente que os Estados são a maior economia do mundo e, com certeza, a China está mais ambiciosa, mas seria importante que houvesse um mínimo de gestão dessa competitividade entre os dois países. E temos que prestar atenção na Ásia. Veja o que ocorreu com as mulheres no Afeganistão, já não podem ir à escola, passear no mesmo jardim onde estão os homens. Já não podem viajar para fora. E, agora, dramaticamente, têm que outra vez pôr a burca. Isso aconteceu em nove meses. Tem o problema de Taiwan, que é muito sensível. Mas, é certo que precisávamos que a relação entre as duas superpotências fosse mais estável É preciso também uma governança econômica da globalização. É indiscutível que a globalização tirou muita gente da pobreza. Mas também é verdade que aumentou o gap (a distância) entre quem tem e quem não tem. E era preciso encontrar um ponto de equilíbrio nisso. A minha noção de igualdade é a igualdade de oportunidades. Deus não fez duas pessoas iguais. Se fosse igualitário, teria nos feito iguais. Agora, igualdade de oportunidades para eu poder por um talento a render, como vi no teatro Castro Alves, em Salvador.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

Lula sobre corrupção: 'No meu governo houve investigação e transparência'

17/08/2022 às 22h54

'Os servidores terão reajuste no ano que vem', promete Bolsonaro

17/08/2022 às 22h32

Bolsonaro promete zerar impostos sobre combustíveis também em 2023

17/08/2022 às 22h24

PF afirma que Bolsonaro incitou crime ao relacionar vacina e Aids

17/08/2022 às 22h16

Soraya Thronicke propõe substituir impostos federais por um só tributo

17/08/2022 às 21h11

Vera Lúcia quer garantia de igualdade na disputa eleitoral

17/08/2022 às 21h02

Sofia Manzano defende investimentos em instituições públicas

17/08/2022 às 20h59

Felipe D%u2019Avila defende melhora do ensino básico

17/08/2022 às 20h56

Câmara do Rio rejeita recurso de vereador contra pedido de cassação

17/08/2022 às 20h39

STF retoma julgamento sobre nova Lei de Improbidade

17/08/2022 às 20h37

Desfile de 7 de Setembro foi cancelado no Rio de Janeiro, diz prefeito

17/08/2022 às 20h32

Lula: 'Bolsonaro decidiu tentar enganar o povo às vésperas da eleição'

17/08/2022 às 19h52

Senado aprova marco regulatório para exploração de energia em alto mar

17/08/2022 às 19h50

General toma posse como ministro do Superior Tribunal Militar

17/08/2022 às 19h49

Carlos explica presença na posse de Moraes: 'Pedi para ir e meu pai deixou'

17/08/2022 às 19h39

Candidato se encontrou com representantes do Brasil Competitivo

Felipe DAvila defende melhora do ensino básico

17/08/2022 às 19h28

Processo contra Gabriel Monteiro deve ser votado nesta quinta-feira

Câmara do Rio rejeita recurso de vereador contra pedido de cassação

17/08/2022 às 19h14

Fecomércio-PE promoverá rodada de debates com cinco dos/as 11 candidatos/as ao governo de PE

17/08/2022 às 18h58