Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

ELEIÇÕES

Oposição pede que TCU investigue contrato milionário para disparos de SMS

Publicado em: 28/07/2022 18:48

 (Ministério da Economia contratou empresa de tecnologia para realizar disparos em massa com justificativa de garantir a divulgação de serviços públicos. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
Ministério da Economia contratou empresa de tecnologia para realizar disparos em massa com justificativa de garantir a divulgação de serviços públicos. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
A oposição enviou representação ao Tribunal de Contas da União (TCU) pedindo investigação sobre uma possível ilegalidade na contratação da empresa TServcom Tecnologia pelo Ministério da Economia. A justificativa para a admissão seria o serviço de disparo de 2 bilhões de mensagens de texto para a população.

O contrato prevê o pagamento de R$ 84,2 milhões do governo para a empresa, com o objetivo, segundo o ministério, de garantir a divulgação de serviços públicos. No entanto, os parlamentares que entraram com a representação desconfiam que os disparos na verdade seriam direcionados para impulsionar medidas do governo com o intuito de reforçar o apoio político para as eleições de outubro.

Caso seja confirmada a ligação, a ação governamental configuraria infração à lei eleitoral, já que faltam menos de 70 dias para o primeiro turno. No pedido da oposição é solicitada uma auditoria operacional e financeira para apurar o suposto uso de recursos públicos para propaganda institucional, que pode ser entendido como desvio de finalidade e abuso do poder econômico.

"Bolsonaro está vendo distantes suas chances de chegar a um segundo turno a cada pesquisa divulgada e apela para todos os recursos de que pode dispor. Essa 'pedalada eleitoral' dos SMS beira o absurdo. Não pode o governo usar sua estrutura e recursos públicos para favorecer um candidato", afirmou um dos autores da ação, o líder da minoria, Jean Paul Prates (PT-RN).

O TCU tem um prazo para examinar a admissibilidade da denúncia e pode aceitar ou não começar as investigações. Os autores incluíram no pedido que o tribunal determine a suspensão imediata da execução do contrato até o encerramento das atividades presidenciais, no dia 15 de novembro.

Fizeram parte do envio o líder da minoria, senador Jean Paul Prates (PT-RN), em conjunto com a bancada do PT e os senadores Randolfe Rodrigues (Rede/AP) e Zenaide Maia (Pros/RN).

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com dr. Heitor Medeiros e André Navarrete (Innovation Meeting)
Em busca de água, indígenas brasileiros encontram novo lar
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Grupo Diario de Pernambuco