Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

JUSTIÇA

Moraes ordena retirada de fake news que ligam Lula ao PCC

Publicado em: 18/07/2022 17:29

 (crédito: Nelson Jr./SCO/STF)
crédito: Nelson Jr./SCO/STF
O ministro Alexandre de Moraes, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou que bolsonaristas apagassem fake news que associam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao Primeiro Comando da Capital (PCC). O magistrado atendeu a um pedido da oposição.

A decisão foi protocolada na noite de domingo (17), durante o plantão de Moraes como presidente da Corte Eleitoral. Ele também determinou que sejam removidas postagens que ligam Lula ao assassinato de Celso Daniel e conteúdos que tiraram de contexto uma fala do petista, dando a entender que o ex-presidente teria comparado a população pobre a papel higiênico — dizendo que seriam úteis apenas nas eleições e, depois, descartados.

O vídeo que tirou de contexto a fala foi publicado pelo senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (PL) e pela deputada federal Carla Zambelli (PL-SP).

“A veiculação de propaganda eleitoral antecipada negativa por meio de notícias falsas, descontextualizadas ou sem qualquer demonstração de provas, por meio de redes sociais e veículos de comunicação que divulgam matérias tendenciosas e parciais”, diz a ação.

“Com ‘evidente propósito de desincentivar os cidadãos brasileiros a votarem no ex-Presidente Lula, pelo partido representante, numa possível candidatura, o que fere gravemente o equilíbrio da campanha eleitoral, ainda mais levando-se em consideração que é feita por meio de notícias desinformadoras, graves e que ferem a honra e a imagem do representante’”, ressalta outro trecho.

A liminar também tem como alvos os deputados federais Otoni de Paula (MDB-RJ) e Helio Lopes (PL-RJ); além dos administradores dos sites Jornal da Cidade Online e Minas Acontece; os responsáveis pelos canais no YouTube DR News e Políticabrasil24 e pelos perfis Titio 2021 e Zaquebrasil, por meio da plataforma Gettr.

Multa para quem descumprir
 
O ministro Alexandre de Moraes impôs, em caso de descumprimento da liminar, a multa de R$ 10 mil por dia. Ele também ordenou que os envolvidos não divulguem mais essas informações — sujeito à penalidade de R$ 15 mil.

Moraes destacou, na decisão, que o direito à liberdade de expressão é garantido pela Constituição, mas sujeito a "posterior análise e responsabilização".

“A plena proteção constitucional da exteriorização da opinião (aspecto positivo) não significa a impossibilidade posterior de análise e responsabilização de pré-candidatos, candidatos e seus apoiadores por eventuais informações injuriosas, difamantes, mentirosas, e em relação a eventuais danos materiais e morais, pois os direitos à honra, intimidade, vida privada e à própria imagem formam a proteção constitucional à dignidade da pessoa humana, salvaguardando um espaço íntimo intransponível por intromissões ilícitas externas, mas não permite a censura prévia pelo Poder Público”, escreveu.

O magistrado destacou que a divulgação de fake news compromete o processo eleitoral brasileiro.

“O sensacionalismo e a insensata disseminação de conteúdo inverídico com tamanha magnitude pode vir a comprometer a lisura do processo eleitoral, ferindo valores, princípios e garantias constitucionalmente asseguradas, notadamente a liberdade do voto e o exercício da cidadania”, afirmou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com dr. Heitor Medeiros e André Navarrete (Innovation Meeting)
Em busca de água, indígenas brasileiros encontram novo lar
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Grupo Diario de Pernambuco