Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

ATAQUES INSTITUIÇÕES

STF marca julgamento de Roberto Jefferson para 17 de junho

Publicado em: 08/06/2022 17:33

 (crédito: Reprodução)
crédito: Reprodução
O Supremo Tribunal Federal (STF) vai retomar, no próximo dia 17 de junho, o julgamento do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) pelos por incitação ao dano de patrimônio público, calúnia e homofobia. Ele foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em agosto do ano passado. A Corte colocou a apreciação da matéria no plenário virtual. Os ministros terão até o dia 24 para depositar os votos, caso não haja pedido de vista ou de destaque.


Em fevereiro, Roberto Jefferson tornou-se réu no STF. A PGR listou declarações do ex-deputado atacando as instituições e com falas consideradas homofóbicas. O documento diz que o político praticou condutas que infringem o Código Penal e a Lei de Segurança Nacional.

‘’Incentivou o povo brasileiro a invadir a sede do Senado e a praticar vias de fato contra senadores”. De acordo com a procuradoria, o intuito de Jefferson foi “impedir o livre exercício do Poder Legislativo”, segundo trecho da denúncia da PGR. O órgão ainda acusa Jefferson de incentivar “o povo brasileiro a destruir, com emprego de substância explosiva, o prédio do Tribunal Superior Eleitoral”.

Julgamento paralisado
 
O ministro Alexandre de Moraes apresentou um relatório para acatar a denúncia da Procuradoria. Ele argumentou que o político teve uma conduta “contra o Estado Democrático, possuindo brutal potencial lesivo às instituições democráticas, pois tiveram ‘o intuito de tentar impedir o livre exercício do Poder Legislativo'”.

Moraes foi acompanhado por Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia. No entanto, o julgamento foi paralisado pelo pedido de vista, ou seja, mais tempo para análise da ação, do ministro Nunes Marques.

A investigação ocorreu no STF por os fatos serem conexos com outra apuração no Supremo sobre a existência de uma milícia digital envolvendo aliados do presidente Jair Bolsonaro (PL). Como Roberto Jefferson não tem foro privilegiado, o caso deve ser encaminhado para a Justiça Federal.

Procurada pelo Correio, a defesa do ex-deputado disse que recebe com entusiasmo a notícia de que Jefferson será julgado em breve e que está confiante no resultado.

“A gente confia em um voto dele de divergência, até pela linha que ele vem julgando, em casos semelhantes. Confiamos que os autos vão o mais rápido possível para a 12a Vara Federal, onde lá, sim, ele terá a sua ampla defesa, o contraditório, o processo legal respeitado”, afirmou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Suspeito de ataque a tiros com seis mortos é detido nos EUA
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Planta gigante, prima da vitória-régia, é descoberta em Londres
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Grupo Diario de Pernambuco