Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

Contra cotas raciais, Anderson Ferreira diz que medida é racista e limitante

Publicado em: 14/06/2022 21:55 | Atualizado em: 14/06/2022 22:51

 (Foto: Rafael Vieira/DP)
Foto: Rafael Vieira/DP

Durante visita ao Diario de Pernambuco, realizada nesta segunda-feira, o pré-candidato a governador, Anderson Ferreira (PL), acompanhado do parceiro e pré-candidato ao Senado, Gilson Machado (PL), apresentou alguns dos pontos do seu plano de governo. Durante a conversa, o bolsonarista também opinou sobre o sistema de cotas raciais e chamou de racista a medida que busca minimizar desigualdades sofridas por pessoas negras. Em 29 de agosto deste ano, a Lei 12.711/2012, conhecida como Lei de Cotas, completa uma década. Pesquisa mostra que metade da população brasileira é a favor da Lei. 

 

“Quando se trata de cota isso é racismo. Hoje querem criar cota pra todo tipo de categoria, é cota para autista, para pessoas especiais, cotas para negros. Não, não sou a favor", asseverou. "Acho que ninguém é menos capaz que o outro, a oportunidade tem que ser dada para todos”, avaliou o pré-candidato liberal.  O posicionamento de Anderson, apoiado por Gilson Machado, também dialoga com a postura do presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), que já se manifestou contra cotas durante seus anos de vida pública. Em Pernambuco, Anderson é o nome que lidera o palanque bolsonarista no estado.

 

 “Quando você cria esse próprio limite é como se o negro não tivesse a capacidade de alcançar as mesmas coisas que pessoas brancas”, continuou.

 

Apesar de em seu cadastro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) constar a cor branca, Anderson Ferreira, durante a entrevista, afirmou considerar-se negro. “O nosso povo brasileiro é um povo negro, nós somos negros, eu não sou europeu para ter uma cor branca, eu sou mulato”,  disse.

 

Lei de cotas - uma década

A Lei 12.711/2012, conhecida como Lei de Cotas, foi implementada em 2012 e prevê que 50% das vagas em universidades e institutos federais sejam oferecidas a pessoas negras, grupo que, de acordo com o Instituto de Geografia e Estatística (IBGE), inclui pardos s e pretos. Apesar de haver vários projetos tramitando no Congresso Nacional, tanto a favor, como contra a medida, ainda não há uma movimentação expressiva para a revisão da Lei que deve ser feita a cada 10 anos.

 

Pesquisa 

Uma pesquisa do Datafolha publicada no último domingo mostra que metade da população (51%) é a favor da Lei te Cotas nas Universidades Públicas. 34% são contra. Outros levantamentos também mostram o crescimento no número de pessoas negras nas academias.  Um estudo feito a partir dos dados do IBGE pelo site "Quero Bolsa" apontou que entre 2010 e 2019 o percentual de alunos/as negros/as nas universidades públicas brasileiras aumentou quase 400%. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevista com o ex-ministro e pré-candidato ao senado, Gilson Machado
Suspeito de ataque a tiros com seis mortos é detido nos EUA
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Planta gigante, prima da vitória-régia, é descoberta em Londres
Grupo Diario de Pernambuco