Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

LOS ANGELES

Brasil faz busca 'incansável' por desaparecidos na Amazônia, diz Bolsonaro

Publicado em: 10/06/2022 17:33

 (crédito: Jim WATSON / AFP)
crédito: Jim WATSON / AFP
Cobrado internacionalmente, o presidente Jair Bolsonaro (PL) usou parte de seu discurso na Cúpula das Américas, em Los Angeles, nesta sexta-feira (10) para destacar o trabalho de buscas ao indigenista da Fundação Nacional do Índio (Funai) Bruno Araújo Pereira e ao jornalista inglês Dom Phillips, colaborador do jornal The Guardian.

Segundo o chefe do Executivo, o Brasil realiza busca pelos dois de maneira incansável. “Desde o último domingo, quando tivemos informação que dois cidadãos desapareceram no Vale do Javari, desde o primeiro momento nossas Forças Armadas e Polícia Federal têm se destacado na busca incansável da localização dessas pessoas. Pedimos a Deus que sejam encontrados com vida”, apontou.

Já ontem, nos Estados Unidos, Bolsonaro voltou a dizer que os desaparecidos na Amazônia foram para uma “aventura”. Ainda segundo o chefe do Executivo, a chance de encontrá-los vivos “diminui a cada dia”.
 
“Não tenho notícias do paradeiro deles. Pedimos a Deus que sejam encontrados vivos, mas sabemos que a cada dia que passa essa chance diminui. Eles entraram em uma área, não participaran a Funai. Tem um protocolo a ser seguido, e naquela região geralmente a gente anda escoltado. Foram para uma aventura. A gente lamenta pelo pior", disse na data.

No último dia 7, o presidente afirmou que os dois estavam em "uma aventura que não é recomendável que se faça" e afirmou ainda que, entre as hipóteses, "pode ser que tenham sofrido um acidente" ou que "tenham sido executados".

Indigenista comunicou a Funai
 
Documentos obtidos pela TV Globo e pela CNN comprovam, no entanto, que o indigenista tinha autorização da Funai para fazer a expedição. De acordo com o documento, a Funai autorizou a entrada de Bruno na área entre 17 e 30 de maio. Ele entrou no dia 21, sem a companhia do jornalista britânico. Na ocasião, participou de reuniões nas aldeias e estava acompanhado de um representante da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) e do presidente de uma associação de moradores da região.

À época, a Funai exigia autorização para entrar na terra indígena devido ao risco de contaminação dos indígenas com a Covid-19. Agora, essa autorização prévia não é mais necessária. Dom Phillips não chegou a entrar na Terra Indígena. O trabalho que ele estava fazendo era fora da área. Ambos desapareceram no trajeto entre a comunidade de São Rafael e Atalaia do Norte, que não fica na reserva.

Nesta quinta, a Univaja também se pronunciou e disse que Bruno tinha comunicado a entrada na Terra Indígena e confirmou que, no momento do desaparecimento, eles não estavam na área de preservação.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Planta gigante, prima da vitória-régia, é descoberta em Londres
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Última Volta: GP da Grã Bretanha de F1 2022
Grupo Diario de Pernambuco