Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

IMPOSTOS ESTADUAIS

'Birra contra governadores', diz Dias sobre compensação por combustíveis

Publicado em: 07/06/2022 14:10

 (crédito: MarcosCorrea/PR)
crédito: MarcosCorrea/PR
O ex-governador do Piauí e ex-coordenador do Fórum Nacional de Governadores Wellington Dias (PT) criticou, nesta terça-feira (7), a proposta anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) de ressarcir os estados pelas perdas de arrecadação com o congelamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos combustíveis. Segundo Dias, as ações de Bolsonaro "parecem birra contra os governadores".

"Se o governo federal dispõe de R$ 22 bilhões, basta decidir quanto quer reduzir e pagar. E por que não implantar o Fundo de Equalização e Compensação dos combustíveis? Não depende de ninguém, só de decisão do chefe do Executivo, e estamos defendendo desde primeiro semestre de 2021" disse o ex-governador em nota enviada à imprensa. 

"Pode o Executivo alterar o tributo de outro ente da federação, sem cumprir regras da Constituição? Não, e ele sabe disto. O caminho escolhido é de quem sabe que é culpado pelo aumento dos preços dos combustíveis e não quer resolver! Parece birra contra os governadores, e o povo sofrendo", completou Dias.

Fundo para estabilização dos preços
 
Ontem (6), Bolsonaro anunciou que o governo federal aceitará ressarcir os estados pela perda de arrecadação causada pelo congelamento do ICMS. Porém, como contrapartida, a exigência é que os entes federativos derrubem a zero a alíquota do ICMS sobre o gás de cozinha e sobre o diesel.

Segundo Wellington dias, a redução do imposto retira recursos da educação e da saúde de estados e municípios, e a medida de Bolsonaro só serve para "jogar o povo contra governadores e prefeitos". Ele atribui ainda a alta dos preços à política de paridade internacional.

"Mas é possível criar uma medida imediata e provisória, enquanto dá solução de ampliação de refino no Brasil. É a criação do Fundo de Estabilização e Compensação dos Preços dos Combustíveis", disse o ex-governador. "De onde vem o dinheiro? Do próprio lucro abusivo do negócio dos combustíveis", completou, citando o lucro estimado de R$ 140 bilhões à União até o fim do ano.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Nova presidente da Caixa toma posse e anuncia primeiras medidas
Manhã na Clube: entrevista com o ex-ministro e pré-candidato ao senado, Gilson Machado
Suspeito de ataque a tiros com seis mortos é detido nos EUA
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Grupo Diario de Pernambuco