Diario de Pernambuco
Busca

ELEIÇÕES

Pré-candidata, Tebet promete paridade de gênero em um eventual governo

Publicado em: 26/05/2022 09:10

 (Foto:  Ed Alves/CB)
Foto: Ed Alves/CB
"Mulher vota em mulher". Com essa frase, a senadora Simone Tebet apontou o caminho que pretende trilhar para escalar as pesquisas de intenção de votos. A agora pré-candidata oficial do MDB na corrida à Presidência — com apoio formal do Cidadania — ancorou no eleitorado feminino a base do discurso que pretende adotar na campanha. Para se tornar mais popular, intensificará as viagens pelo Brasil e a agenda de entrevistas. Os levantamentos têm demonstrado que a parlamentar é desconhecida por mais da metade dos eleitores que pretendem votar em outubro.


No pronunciamento que fez para abrir a primeira entrevista coletiva após a oficialização do nome dela pelos dois partidos aliados, Tebet usou quatro vezes a expressão "homens públicos" ao se referir às influências que a levaram para a política. Perguntada por que não falou de "mulheres públicas", ela admitiu que faltam figuras femininas de referência. "Espero ser uma delas", disse. E prometeu, se eleita, montar um ministério com paridade de gênero. "Já está no meu programa a criação do ministério paritário entre homens e mulheres. Se tiver 20 ministérios, 10 serão de homens e 10 de mulheres", declarou. "É justo com a minha história e com a história das meninas. A vida inteira nós fomos obrigadas a andar atrás dos homens. Não posso ser eu, neste momento, como mulher, única pré-candidata a não dar esse espaço."

MDB e Cidadania, cujas comissões executivas formalizaram, na terça-feira, o apoio a Tebet como cabeça de chapa do autodenominado centro democrático, aguardam, agora, a decisão do PSDB para colocar a pré-campanha unificada na rua. A senadora se mostrou convencida do apoio tucano, que deveria ter sido definido na terça-feira, mas acabou adiado para a semana que vem por causa das divergências internas da legenda.


A desistência do ex-governador paulista João Doria (PSDB-SP) de seguir na corrida eleitoral fez com que uma ala tucana voltasse a defender candidatura própria, uma reviravolta que poderia implodir a terceira via e que acabou forçando o adiamento da reunião da Executiva Nacional para 2 de junho. "Não tenho dúvidas de que, na semana que vem, nós estaremos com aqueles que sempre foram nossos aliados de primeira hora: homens e mulheres de bem do PSDB", disse a senadora.


Busca por unidade
 
Divisão interna não é exclusividade do ninho tucano. No próprio MDB de Tebet há alas dissidentes. Algumas têm posições explícitas, como a liderada pelos senadores Renan Calheiros (AL) e Veneziano Vital do Rêgo (PB) e pelo ex-senador Eunício Oliveira (CE), que abrirão palanques para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em seus estados. Outras ainda operam nas sombras em favor da reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Na reunião da Executiva do MDB que ungiu Tebet como candidata da terceira via, o vice-líder do governo na Câmara, Otoni de Paula (MDB-RJ), disse que não seria obstáculo para a aprovação do nome da senadora no partido, apesar de apoiar a reeleição de Bolsonaro. Horas antes, o Correio apurou que ele esteve no Palácio do Planalto para um encontro com o secretário de governo, Célio Faria Junior, em que discutiram a montagem dos palanques regionais bolsonaristas com aval de segmentos do MDB.

"Vim conversar com o ministro Célio o apoio do MDB ao presidente (Bolsonaro) nos estados, especialmente no Sul e no Sudeste. No Nordeste, ainda é muito Lula, né?", afirmou o deputado à reportagem. Para ele, a saída de Doria do jogo favorece a captação de apoios entre os tucanos à reeleição do presidente.

Tebet reconhece as divisões internas da legenda, mas espera que tanto MDB quanto PSDB cheguem unidos às convenções que definirão as candidaturas oficiais. "Não temos a unidade no partido, mas teremos nas convenções", sustentou.


Sobre a polarização entre Lula e Bolsonaro, Tebet não poupou críticas. "São dois lados da mesma moeda, que se retroalimentam com discurso de ódio", ressaltou. Mas se disse à vontade para conversar com todas as forças políticas que prezem "o respeito à democracia", inclusive com o PT. "Não pode haver cadeira vazia no diálogo de defesa da democracia."

Na avaliação dela, a população está "escolhendo o menos pior, e essa não pode ser a eleição dos rejeitados". Sobre o atual chefe do Executivo, a senadora foi incisiva, ao ser perguntada sobre o estilo agressivo dele. "Política não é lugar de grosseria, de palavras chulas", reprovou.

Petrobras
 
Tebet antecipou posições que constarão de seu plano de governo, coordenado pelo ex-governador gaúcho Germano Rigotto. Ela declarou ser contra a privatização da Petrobras, mas seguirá a cartilha liberal na economia. "Comigo não é oito ou 80. Não tem Estado mínimo ou Estado máximo, tem Estado necessário."

Segundo ela, é preciso facilitar parcerias público-privadas, em especial no setor de logística, um dos gargalos da economia brasileira, para investimentos em rodovias e ferrovias. E defendeu a responsabilidade fiscal: "Está no meu DNA". As propostas que a parlamentar pretende apresentar na área econômica estão sendo coordenadas pela economista Helena Landau. (Colaborou Cristiane Noberto)

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

MPE cobra documentos de Bolsonaro para confirmar candidatura

17/08/2022 às 15h15

Ex-reitores lançam manifesto em apoio à democracia e à eleição de Lula

17/08/2022 às 14h50

Novo foguete da NASA já está posicionado para decolagem à Lua em 12 dias

17/08/2022 às 14h15

Sergio Moro sobre eleições: 'Chega de polarização'

17/08/2022 às 14h10

Prazo para solicitar voto em trânsito acaba amanhã (18); veja como fazer

17/08/2022 às 14h05

'Deus usa Lula', diz Janones em resposta à ofensiva religiosa de Bolsonaro

17/08/2022 às 13h55

Na posse na presidência do TSE, Moraes promete ser implacável com fake news

17/08/2022 às 13h50

STF torna réu deputado denunciado por forjar atentado contra si

17/08/2022 às 12h57

País vive "transformação na dinâmica de criação de emprego", diz secretário

17/08/2022 às 11h42

Entenda quais atos configuram crime eleitoral e saiba como denunciá-los

17/08/2022 às 07h45

Primeiro dia de campanha é marcado por troca de acusações entre Lula e Bolsonaro

17/08/2022 às 07h43

Sebastião Oliveira diz que Marília é 'candidata do coração' de Lula, e Danilo, 'do acordo'

16/08/2022 às 22h55

Danilo Cabral inicia campanha em Brasília Teimosa e reforça imagem de 'candidato de Lula' em PE

16/08/2022 às 22h19

Bolsonaro: 'Paulo Guedes merece o prêmio Nobel de economia'

16/08/2022 às 22h07

Durante cerimônia de posse no TSE, Bolsonaro critica Lula no Twitter

16/08/2022 às 21h27

'Vamos arrumar a bagunça que fizeram em PE', diz Marília em 1º dia de campanha na rua

16/08/2022 às 21h26

Moraes defende democracia e sistema eleitoral em discurso de posse

16/08/2022 às 21h24

Lula: 'Bolsonaro mente para os evangélicos'

16/08/2022 às 21h04