Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

INVESTIGAÇÃO

Maioria do STF decide ser inconstitucional dossiê do Ministério da Justiça contra oposição

Publicado em: 13/05/2022 18:20

 (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) considerou ilegal, nesta sexta-feira (13)atos do Ministério da Justiça e Segurança Pública em produzir dossiês de movimentos de oposição ao governo Jair Bolsonaro. Em 2020, a Corte já tinha determinado a suspensão da atuação da pasta neste sentido, acatando uma ação da Rede Sustentabilidade.

Os magistrados seguiram o voto da relatora, ministra Cármen Lúcia. Ela apontou a gravidade nas informações descritas e concluiu que são inconstitucionais "atos do Ministério da Justiça e Segurança Pública de produção ou compartilhamento de informações sobre a vida pessoal, as escolhas pessoais e políticas, as práticas cívicas de cidadãos, servidores públicos federais, estaduais e municipais identificados como integrantes de movimento político antifascista, professores universitários e quaisquer outros que, atuando nos limites da legalidade, exerçam seus direitos de livremente expressar-se, reunir-se e associar-se".

Acompanharam: Ricardo Lewandowski, Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Edson Fachin, Rosa Weber, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux. O ministro André Mendonça, que era ministro da Justiça na época do caso, se declarou suspeito para votar.

Entenda o caso
Em 2020, o então ministro da Justiça, André Mendonça, admitiu a existência de um relatório sigiloso produzido pela Secretaria de Operações Integradas (Seopi) com informações a respeito de 579 servidores identificados como “antifascistas”. À época, Mendonça afirmou que o procedimento não era espionagem.

Os alvos faziam parte de movimentos autodenominados antifascistas, formados por policiais militares e civis. Agentes federais também integraram o grupo, que estava na mira das diligências deflagradas sem inquérito ou pedidos do Judiciário.

Após o caso vir à tona, o Ministério Público Federal pediu explicações do governo sobre o ato. Apesar de alegar tratar-se de um trabalho técnico, o Ministério da Justiça teria repassado as informações a órgãos políticos, e não só de segurança, o que abre espaço para que servidores sofram retaliações ou punições de caráter ideológico e político.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Última Volta: GP da Espanha 2022 de F1
Antiproibicionismo: Marcha da Maconha por uma nova política de drogas
Manhã na Clube: entrevista com Raquel Lyra (PSDB)
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Grupo Diario de Pernambuco