Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CONGRESSO

Demandas sociais não cabem no Orçamento, mas teto será perseguido, diz Sabino

Publicado em: 05/05/2022 13:20

 (crédito: Deborah Hana Cardoso/CB/DA.Press)
crédito: Deborah Hana Cardoso/CB/DA.Press
Presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), o deputado federal Celso Sabino (União-PA) explicou a jornalistas nesta quinta-feira (5) como será feito o Orçamento do próximo ano. O parlamentar disse que, pelos seus cálculos, o Orçamento deve ultrapassar os R$ 5 trilhões. “As demandas sociais são superiores às possibilidades de que o Orçamento dispõe”, disse.

Sabino explicou que, antes de defender o fim do teto de gastos ou mesmo o Auxilio Brasil fora da lei do teto, marco da austeridade fiscal implementada pelo governo de Michel Temer, a âncora será perseguida mesmo com o cobertor curto. “Iremos buscar todas as possibilidades possíveis antes de pensar em mexer no teto”, reiterou. Segundo ele, há “inúmeras” possibilidades sobre a mesa antes de avançar com o teto. Contudo, não explicou quais.

Pelo apresentado na coletiva, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deverá ser entregue ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), antes do recesso, no período constitucional. “Em virtude de ser um período eleitoral que mobiliza os parlamentares, estamos avaliando a conveniência de fazermos esforços concentrados uma semana em agosto e setembro para avançar” disse. A relatoria da LDO ainda está indefinida.

Emendas de relator
 
Outro ponto abordado foi a maior transparência das emendas de relator-geral (RP) — o senador Marcelo Castro (MDB-PI) foi designado o relator-geral do Orçamento. “Iremos disponibilizar no site da comissão informações sobre as RP9 sobre a indicação das emendas, quem indicou e por quem, como está sendo utilizado e como está sendo executado e quem está fiscalizando”, disse. Segundo o deputado, é necessário tirar a versão de orçamento secreto. “Claridade total”, garantiu.

Ele ainda reiterou a defesa do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), em relação às emendas. “Ninguém conhece mais os rincões do país, os interiores dos estados, do que os parlamentares. Não há ministro, nem do Lula e nem do Bolsonaro que conheça as nuances do cotidiano do brasileiro. Essas ações têm custeado construção de pontes, eletricidade, pavimentação de estrada, construção de hospitais, aquisição de medicamentos e ambulâncias”, disse.

Haverá ainda, segundo Sabino, a possibilidade de o cidadão fazer, pelo site, a sugestão da aplicação das emendas.

Ano eleitoral
 
O presidente da CMO argumentou que o Orçamento não está sendo pensado em relação ao governo atual ou ao próximo, mas sobre as prioridades, já que este ano é eleitoral e, em tese, ainda não há um governo eleito. “O exercício da comissão da CMO é perseguir o consenso, um sentimento de bem comum. Pensar em como queremos o Brasil e não no presidente, nas ações do Orçamento diante de suas prioridades” explicou.

Ontem, Marcelo Castro e Celso Sabino disseram que iriam conduzir o Orçamento de 2023 sem se preocupar com o próximo governo. "Quem vier a ser o presidente terá o Orçamento elaborado por nós da maneira mais republicana possível, visando sempre o bem comum e o desenvolvimento do nosso país", assegurou o relator-geral.

“Há correntes que prestigiam mais a seguridade social e outros, o livre mercado e a menor interferência do Estado. Sempre será assim. Não iremos pensar em quem será o presidente, mas se as prioridades serão as universidades, segurança pública, infraestrutura e desenvolvimento. Esse é o papel do parlamento”, disse.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Grupo Diario de Pernambuco