Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CASO DANIEL SILVEIRA

Pacheco defende que cassação de mandatos seja feita pelo Congresso

Publicado em: 26/04/2022 19:30

 (Senador Rodrigo Pacheco falou sobre caso Daniel Silveira. Foto: Divulgação)
Senador Rodrigo Pacheco falou sobre caso Daniel Silveira. Foto: Divulgação
Em meio à polêmica envolvendo a condenação do deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) no Supremo Tribunal federal (STF) e o indulto concedido ao parlamentar pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou, nesta terça-feira (26), que a cassação de mandatos de congressistas é prerrogativa do Parlamento, por meio da votação de seus pares. 

Pacheco disse ter analisado a situação e, sob seu ponto de vista, em caso de decretação de perda de mandato por parte do judiciário, há necessidade de se submeter à Casa legislativa para que se decida sobre isso. Mesmo com o indulto presidencial, a avaliação é de que Silveira perderia o mandato, com base na Ficha Limpa.

“Eu considero que a melhor inteligência da Constituição é neste sentido”, disse. Para o senador, o Congresso precisa “ter muita responsabilidade” na formulação de projetos que promovam mudanças legislativas importantes diante de episódios ocasionais.

“Eu considero que a apresentação de projetos é prerrogativa dos parlamentares, mas a maioria do parlamento tem que ter muita responsabilidade na aprovação de projetos. Quando eu digo que nós temos que ter o comprometimento com a segurança jurídica, com a previsibilidade, com a clareza normativa no Brasil, isso envolve o poder legislativo, que não pode, a qualquer sopro do vento, promover alterações legislativas significativas, que, às vezes, momentaneamente são interessantes, mas numa visão de longo prazo não o são”, concluiu.

Mais cedo,o ministro Alexandre de Moraes emitiu decisão para que a defesa do deputado federal Daniel Silveira se manifeste sobre o indulto individual concedido pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), na última quinta-feira (21).

Daniel Silveira era acusado pela Procuradoria Geral da República (PGR) pelos crimes de coação (uso de força) no curso de um processo judicial, incitação à animosidade entre as Forças Armadas e o STF e por tentativa de impedir o livre exercício dos Poderes da União. Os crimes, segundo a denúncia, aconteceram entre 2020 e 2021 quando ele divulgou vídeos em redes sociais atacando o STF, defendendo uma intervenção militar e ofendendo pessoalmente membros da Corte.

Ele foi condenado a oito anos e nove meses de reclusão, inicialmente, em regime fechado, à perda do mandato de deputado federal à suspensão dos seus direitos políticos. Ao todo, 10 dos 11 ministros votaram pela condenação do parlamentar.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevista com Raquel Lyra (PSDB)
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Grupo Diario de Pernambuco