Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

ELEIÇÕES

Lula sobre ONU: 'Ideal seria poder tirar o Bolsonaro e me colocar no lugar'

Publicado em: 28/04/2022 16:00

 (crédito: Victor Correia/CB/DA.PRESS)
crédito: Victor Correia/CB/DA.PRESS
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta quinta-feira (28) que a decisão da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a parcialidade da Lava-Jato foi uma "lavagem de alma" e que o ideal seria "se pudesse tirar o (presidente Jair) Bolsonaro (do poder) e me colocar no lugar". A fala foi dada em evento da Rede Sustentabilidade no qual a legenda anunciou oficialmente o apoio à pré-candidatura de Lula à Presidência.

"A ONU deu 180 dias para o governo brasileiro se manifestar. O ideal seria se [a ONU] pudesse tirar o Bolsonaro e me colocar no lugar", afirmou o ex-presidente. Ele ainda disse que gostaria de um pedido de desculpas "da imprensa, que dizia que eu era um bandido".

O Comitê de Diretos Humanos da ONU divulgou hoje relatório no qual conclui que a atuação de Moro nas ações contra Lula no âmbito da Lava-Jato foram parciais e que o ex-presidente teve seus direitos políticos violados ao ser impedido de concorrer nas eleições de 2018.

Federação
 
Além de Lula, o partido liberou o apoio ao presidenciável pelo PDT, Ciro Gomes, em resolução sobre o processo eleitoral divulgado ontem. No documento, a Rede registra decisão de formar Federação Partidária com o PSol, e que o foco dos dois partidos será formar chapas a deputados federais para superar a cláusula de barreira e garantir presença forte no Congresso.

Por sua vez, o PSol definirá o apoio a Lula neste sábado (30), em convenção eleitoral realizada em São Paulo. O apoio será votado, mas a decisão é dada como certa.

Lula está em Brasília desde ontem para participar do evento da Rede e também da abertura de Congresso Constituinte da Autorreforma do PSB, na noite de hoje. Seu vice, Geraldo Alckmin, é filiado à legenda.

"A Rede Sustentabilidade está tomando um passo de muita coragem e ousadia", afirmou o porta-voz nacional do partido, Wesley Diógenes. Para ele, Bolsonaro "precisa ser derrotado no primeiro turno. A gente entende que sua candidatura (de Lula) é uma candidatura que reúne as forças democráticas, as melhores condições para derrotar esse genocida que está na Presidência da República".

Plano de governo
 
O partido entregou a Lula documento com propostas para o plano de governo do ex-presidente. Pedro Ivo, um dos principais porta-vozes da Rede, ressaltou que a aliança com o PT é programática, e o objetivo é uma vitória no primeiro turno. "O Brasil não é a França, que tem um segundo turno civilizado", afirmou.

Já o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) defendeu que a aliança é incondicional, não apenas das propostas entregues pela legenda. "Estamos sendo o primeiro partido fora da federação com o PT a anunciar que apoiamos incondicionalmente a sua candidatura", afirmou, dirigindo-se a Lula.

A presidente do PT e deputada federal Gleisi Hoffmann reforçou que o projeto entregue pela Rede é muito importante "para derrotar Bolsonaro". E disse ainda que o atual presidente sabe que vai perder as eleições, e que, por isso, ataca as instituições. "Quem tem 60% de rejeição não ganha", comentou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Grupo Diario de Pernambuco