Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro se reúne com WhatsApp, que confirma megagrupos após eleições

Publicado em: 27/04/2022 15:53

 (crédito: EVARISTO SA)
crédito: EVARISTO SA
O presidente Jair Bolsonaro (PL) se reuniu com quatro representantes do WhatsApp, na manhã desta quarta-feira (27), para esclarecer a data de lançamento de uma funcionalidade chamada "Comunidades", que permitirá um alcance maior de proliferação de conteúdos na plataforma no Brasil. Anunciada pela empresa há duas semanas, o início da nova função estava previsto para depois das eleições no país, o que foi interpretado pelo chefe do Executivo como um acordo entre o app de mensagens e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Na reunião, que durou cerca de uma hora, os representantes da empresa negaram que o adiamento do lançamento resultou de um acordo com o TSE. Em nota divulgada pelo WhatsApp após o encontro, a empresa afirma que a decisão de lançamento foi “tomada exclusivamente pela empresa, tendo em vista a confiabilidade do funcionamento do recurso e sua estratégia de negócios de longo prazo”.

“Essa decisão não foi tomada a pedido nem por acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE)”, afirmaram em nota. A empresa voltou a afirmar que a data ainda será definida e que “só acontecerá após as eleições de outubro”.

Combate à desinformação
 
O WhatsApp, e outras redes sociais, firmaram um compromisso com o TSE, em fevereiro, a fim de combater a desinformação durante as eleições. Com o anúncio de que o Comunidades viria apenas após as eleições, Bolsonaro sugeriu que o adiamento foi exigido pelo TSE e que isso era uma forma de interferir nas eleições.

Em coletiva de imprensa após o encontro, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou que o presidente está preocupado com a liberdade da empresa. “A preocupação dele é apenas que esses veículos, essas plataformas, continuem funcionando de forma livre com as próprias decisões internas, sem interferência dos Poderes”, declarou.

Faria também confirmou a declaração do WhatsApp. “Todas as mudanças que ocorreram no Whatsapp no Brasil foram globais”, disse. O ministro ainda comentou que, após a explicação dos representantes do aplicativo, Bolsonaro “entendeu completamente” a decisão e afirmou que o governo não interferirá no calendário de lançamento da funcionalidade.

“O presidente, depois que ouviu isso deles, entendeu completamente. Sendo uma decisão da empresa, é uma decisão do mercado. Não tem porquê nem como Poder Executivo”, pontuou.

Os quatro representantes do WhatsApp que estiveram presentes na reunião com Bolsonaro e Fábio Faria são Dario Durigan (head de Políticas Públicas para o WhatsApp na Meta Brasil), Guilherme Horn (head do WhatsApp no Brasil), Murillo Laranjeira (Public Policy Director na Meta Brasil) e Eduardo Lopes, (Public Policy Manager na Meta Brasil).

De acordo com o WhatsApp, o Comunidades possibilitará a um administrador reunir vários grupos em uma mesma aba, como um marcador em que um usuário reúne vários e-mails de um mesmo assunto. Assim, um administrador poderá interagir e proliferar mensagens para milhares de pessoas — hoje a única função coletiva no aplicativo é o de grupos, cujo limite é 256 pessoas. A função foi apontada por especialistas como uma nova forma de disparar notícias falsas pelo aplicativo.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Última Volta: GP da Espanha 2022 de F1
Antiproibicionismo: Marcha da Maconha por uma nova política de drogas
Manhã na Clube: entrevista com Raquel Lyra (PSDB)
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Grupo Diario de Pernambuco