Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

REDE SOCIAL

Bolsonaristas usam o Twitter para comemorar a aquisição por Elon Musk

Publicado em: 25/04/2022 20:22

 (Foto: LIVIER DOULIERY)
Foto: LIVIER DOULIERY
Os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) utilizaram o Twitter para comemorar a aquisição da rede social pelo bilionário Elon Musk. A compra foi fechada nesta segunda-feira (25) por US$ 44 bilhões e os bolsonaristas, incluindo o próprio presidente, usaram a “liberdade de expressão” como argumento para celebrar.

O movimento foi encabeçado por Bolsonaro, que compartilhou na rede social do passarinho uma publicação do dono da Tesla defendendo a “liberdade de expressão”. “Espero que mesmo os meus piores críticos continuem no Twitter, porque isso é o que a liberdade de expressão significa”, escreveu Musk.

Depois disso, o presidente também retuitou uma matéria do portal Uol, mostrando como desativar a conta na plataforma. “Não quer ficar no Twitter de Elon Musk? Saiba como desativar sua conta”, diz o título da reportagem. “Boa matéria”, opinou Bolsonaro. O filho “03” do chefe do Executivo também compartilhou a publicação de Musk e aplaudiu a fala do novo dono do Twitter.

Ministros e deputados comemoram a aquisição do Twitter
 
O ministro das comunicações do governo Bolsonaro, Fábio Faria, parabenizou Elon Musk pela compra e disse que o bilionário fez “um gesto ao mundo em defesa da liberdade”. O ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, também cumprimentou Musk pela aquisição. “Parabéns Elon Musk! Que o Twitter passe a ser o templo da liberdade de expressão, diferentemente de algumas outras plataformas que se tornaram local de censura e perseguição ideológica!”, escreveu o advogado.

A deputada federal Bia Kicis (PL-DF) fez mais de uma postagem celebrando a compra. Além de compartilhar uma matéria sobre a venda, ela também escreveu que a aquisição de Musk é um “importante passo na luta pelas liberdades”. A ativista também aproveitou para alfinetar o “outro lado”. “Os globalistas estão em cólicas”, disse.

O também deputado federal Carlos Jordy (PL-RJ) utilizou a rede para pedir a volta do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, à plataforma. Trump foi banido do Twitter no início deste ano, quando foi acusado de incentivar a violência que culminou na invasão do Capitólio em 6 de janeiro de 2022.

Já Filipe Martins, assessor especial para assuntos internacionais da presidência, fez referência ao indulto que Bolsonaro concedeu ao deputado federal Daniel Silveira. “Elon Musk concedeu indulto ao Twitter”, afirmou.

Twitter pode entrar em uma nova fase após compra
 
Com a aquisição de Elon Musk o Twitter pode passar por uma reformulação em suas políticas. Na prática, o novo dono da rede social pode alterar as regras de controle de desinformação implantadas até o momento.

Apesar de receber duras críticas, as normas da plataforma coíbem, por exemplo, a propagação de informações enganosas sobre a Covid-19 ou publicações que atrapalhem e manipulem o processo eleitoral.

Elon Musk é o homem mais rico do mundo e protagonista no Twitter, que considera sua rede social favorita. Ele se tornou acionista da empresa no início de abril, mas decidiu fazer uma oferta para assumir o controle total da plataforma, isso porque, segundo ele, ser acionista não seria suficiente para que a rede prosperasse nem para “atender a esse imperativo social em sua forma atual”. “O Twitter precisa ser transformado em uma empresa privada”, afirmou.

O empresário quer que o Twitter incorpore uma “liberdade de expressão” absoluta, sem cancelamentos, sem banir usuários e excluir comentários.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Grupo Diario de Pernambuco