Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

PRESIDENTE

Sem sonda e com nova dieta, Bolsonaro segue à espera de alta médica

Publicado em: 05/01/2022 07:06

 (Foto: Reprodução/Twitter)
Foto: Reprodução/Twitter
O presidente Jair Bolsonaro (PL) apresentou melhora em seu quadro clínico, ontem, e já se alimenta por meio de uma dieta líquida. Os médicos que o acompanham descartaram a necessidade de uma nova cirurgia. De acordo com o boletim médico, o quadro de "suboclusão intestinal se desfez, não havendo a indicação cirúrgica".

Em entrevista à CNN, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho mais velho do chefe do Executivo, disse que "ele pode, a qualquer momento, ter uma liberação por parte da equipe médica".

Bolsonaro deu entrada no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, na madrugada da segunda-feira, com obstrução intestinal. Ele precisou de uma sonda nasogástrica — um tubo instalado do nariz até o estômago ou intestino — para se alimentar, mas o dispositivo já foi retirado.

"O Hospital Vila Nova Star informa que o senhor presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, evoluiu com boa aceitação da dieta líquida ofertada durante o dia, o que motivou a retirada da sonda nasogástrica. O trato digestivo do paciente mostra sinais de recuperação. No momento, não há previsão de alta", diz o comunicado, assinado por cinco médicos, incluindo dois diretores do hospital.

Desde que Bolsonaro foi internado, a possibilidade de uma cirurgia chegou a ser cogitada, mas os especialistas que o atendem — incluindo o médico pessoal do presidente, Antônio Macedo — informaram que o tratamento foi eficaz, motivo pelo qual a cirurgia se tornou desnecessária.

Macedo, médico que acompanha o presidente desde que ele foi atingido por uma facada em 2018, chegou ao hospital na manhã de ontem. O especialista estava nas Bahamas e retornou às pressas para atender o chefe do Executivo.

Bolsonaro disse ter passado mal após o almoço de domingo, em São Francisco do Sul (SC), onde estava desde 27 de dezembro. O presidente, por sinal, foi alvo de uma saraivada de críticas por ter continuado de férias em meio à tragédia das inundações na Bahia — ontem, subiu para 197 o número de cidades do estado em situação de emergência, conforme dados da Superintendência de Proteção e Defesa Civil. Há mais de 102 mil pessoas desabrigadas ou desalojadas. A Sudec informou, na segunda-feira, que houve 26 mortos em decorrência das fortes chuvas.

Antes de Santa Catarina, Bolsonaro passou, também, seis dias de férias no Guarujá (SP).
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Papa recebeu como tapas os depoimentos de abusos no Canadá
Defesa de Brittney Griner alega falhas em provas apresentadas pela Rússia
Grupo Diario de Pernambuco