Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

PANDEMIA

Ministério da Saúde abre licitação para campanhas sobre vacinação

Publicado em: 11/01/2022 18:58 | Atualizado em: 11/01/2022 19:45

 (Foto: Walterson Rosa/MS)
Foto: Walterson Rosa/MS
Na contramão do que defende o presidente Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde abriu uma megalicitação para a contratação de quatro empresas que vão cuidar das campanhas da pasta sobre diversos temas, como vacinação. Uma das metas destacadas no edital — com previsão de pagar um total de R$ 215 milhões para as vencedoras do certame — é tentar reverter o impacto das fake news sobre imunizantes, cujo alcance vem caindo nos últimos anos.

Entre os tópicos elencados no documento, o que trata dos “Desafios de Comunicação” destaca desinformação e notícias falsas como pontos de alarme a serem enfrentados. Em subtópico seguinte, versando sobre “Motivos das Quedas Vacinais”, estão enfatizados “movimento antivacina e fake news”, que mencionam eventos adversos relacionados aos imunizantes e colocam em dúvida a qualidade e a eficácia das vacinas.

O edital ressalta que o Ministério da Saúde quer manter a campanha lançada em 2019, chamada “Vacina Brasil”. Segundo o documento, o objetivo é reforçar a preocupação com a imunização. Por isso, a pasta demanda “uma série de ações integradas entre diversos órgãos públicos e a empresa (a ser contratada pelo certame) para conscientizar a população da importância da vacinação e desmistificar a campanha de fake news contra as vacinas”. “Seguimos em um grande esforço conjunto para refazermos um pacto sobre vacina neste país”, acrescenta.

Resistência
 
A iniciativa do Ministério da Saúde vai de encontro ao posicionamento de Bolsonaro, crítico ferrenho, por exemplo, da vacinação contra a Covid-19, especialmente de crianças. Por ações e declarações, o presidente tem tentado demover a população a se vacinar, disseminando fake news sobre imunizantes e pregando o uso de medicamentos sem eficácia comprovada no combate ao vírus.
No episódio mais recente, Bolsonaro atacou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ao questionar os motivos pelos quais o órgão autorizou a vacinação de crianças de 5 a 11 anos.

O próprio ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, tem trabalhado contra a imunização de crianças, num agrado ao chefe. Os dois criaram uma série de obstáculos para iniciar a vacinação de meninas e meninos, autorizada pela Anvisa desde 16 de dezembro.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Papa recebeu como tapas os depoimentos de abusos no Canadá
Defesa de Brittney Griner alega falhas em provas apresentadas pela Rússia
Grupo Diario de Pernambuco