Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

PANDEMIA

Bolsonaro diz que sua filha de 11 anos não será vacinada contra Covid-19

Publicado em: 27/12/2021 18:44

 (Jair Bolsonaro e Laura Bolsonaro. Foto: Redes Sociais/Reprodução)
Jair Bolsonaro e Laura Bolsonaro. Foto: Redes Sociais/Reprodução
O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, nesta segunda-feira (27), que sua filha Laura Bolsonaro, de 11 anos, não será vacinada contra a Covid-19.

O presidente afirmou que espera que o Judiciário não interfira na vacinação de crianças de 5 a 11 anos. 

A imunização dessa faixa etária está sendo discutida porque funcionários da Anvisa sofreram ataques após recomendarem a vacinação. As agressões foram feitas por apoiadores do presidente, que incentivam o movimento “antivax”.
 
“Estamos conversando com o [ministro da Saúde, Marcelo] Queiroga nesse sentido. Ele, dia 5, deve ditar normas de como é que deve se vacinar crianças. Eu espero que não haja interferência do Judiciário; Espero, porque a minha filha não vai se vacinar — deixar bem claro. Ela tem 11 anos de idade”, disse o presidente ao conversar com a imprensa, em Santa Catarina.
 
Bolsonaro também voltou a falar que a vacinação de crianças “não se justifica”, pois, segundo ele, o índice de mortes de crianças para a Covid-19 não é grande.
 
“Não vêm morrendo crianças que justifique uma vacina nas crianças. Não justifica isso daí. A decisão passa obviamente pelo Ministério da Saúde”, declarou.

No Brasil, 301 crianças morreram em decorrência da doença desde a chegada do coronavírus até o dia 6 de dezembro, o que, em 21 meses de pandemia, significa 14,3 mortes por mês, ou uma a cada dois dias.

A venda, distribuição e disponibilização da vacina Pfizer contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos foram autorizadas pela Anvisa há uma semana. Por isso, o Ministério da Saúde desenvolveu uma consulta pública para que, segundo o órgão, pais e responsáveis opinassem sobre o assunto.
  
A consulta entrou no ar na noite de quinta-feira (23/12) e, poucas horas depois, já apresentava problemas. Internautas nas redes sociais acusam o ministério de ter formulado as perguntas seguindo o princípio defendido pelo presidente Bolsonaro de não obrigatoriedade da imunização.
 
Uma decisão final só será tomada pela pasta no dia 5 de janeiro, após o término da consulta pública que está disponível para participação da população em geral, sendo pessoas físicas ou jurídicas. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Leonardo Péricles e Dr. Heitor Albanez
Fortuna dos 10 mais ricos dobrou com a Covid
Supervacinada: Rafaela inaugura a fase da imunização de crianças contra a Covid no Recife
ONG acusa Bolsonaro de ameaçar a democracia no Brasil
Grupo Diario de Pernambuco