Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

MARÍLIA MENDONÇA

IML deve concluir perícias do caso Marília Mendonça em 15 dias

Publicado em: 07/11/2021 17:43

 (Foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A. Press)
Foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A. Press
O Instituto Médico-Legal Dr. André Roquette (IMLar), em Belo Horizonte, está processando as amostras de material biológico extraídos das cinco vítimas que morreram no  acidente aéreo na sexta-feira (05/11) em Caratinga, no Vale do Rio Doce. Dois tipos de exames devem ficar prontos em até 15 dias. 

Na tarde deste domingo (7/11), os responsáveis pelo trabalho mostraram os equipamentos que estão sendo utilizados nas análises. O médico legista e assessor da diretoria do IML, José Roberto de Rezende Costa, explicou que os trabalhos feitos pelo instituto são complementares à investigação que caminha com a Polícia Civil, em conjunto com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

“Com profunda tristeza que nós recebemos a notícia do  acidente em que a cantora e outras pessoas vieram a óbito em Caratinga e desde então estamos trabalhando”, lamentou José Roberto sobre a morte de Marília Mendonça, seu o tio e assessor da cantora, Abicieli Silveira Dias Filho, o produtor Henrique Ribeiro, o piloto, Geraldo Martins de Medeiros e o co-piloto, Tarciso Pessoa Viana.

“Alguns exames que são necessários para complementar a investigação estamos fazendo aqui e num prazo de 10 a 15 dias esperamos que já tenhamos respostas para anexar ao caso”, disse o médico legista, ressaltando que não há detalhes sobre as outras vertentes do inquérito. “Fazemos apenas o trabalho de perícia, mas as autoridades estão colhendo todas as informações necessárias”, garantiu.

Processo investigativo

Um dos exames realizados em BH é o anatomopatológico. Eles são capazes de analisar fragmentos de tecido ou órgão para saber se o corpo já havia enfermidade prévia ou se gerou trauma através do acidente. 

A médica legista e anatomopatologista Vanessa Marinho explica que este trabalho faz parte do processo investigativo de qualquer acidente. “Podemos identificar até se a pessoa sofreu algum AVC. É um exame pericial complementar. Para entender a causa da morte, é preciso associar todos os fatores da investigação”, acrescentou.

O outro exame é feito com dois equipamentos modernos, que fazem a separação química do material biológico em investigação, capazes de esclarecer se havia álcool ou alguma toxina no corpo das vítimas.

“O exame toxicológico pode ajudar a entender as circunstâncias da morte”, reforçou Sandro Chaves, perito criminal toxicologista do IML. A explicação é que este é um procedimento comum em todos os acidentes e não significa que a polícia trabalha com a hipótese de que isso tenha influenciado na causa da queda do avião. “Não existe uma suspeita a princípio. Em todos os casos de acidentes, todas as vítimas são analisadas”, reforçou o perito.

Assim que os exames ficarem prontos (previsto para até 15 dias), os resultados serão entregues aos legistas que devem reunir outras frentes da investigação e apontar a causa do acidente em até 30 dias.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT/PE), Almir Mattias e Renata Berenguer
Laboratório anuncia teste para diferenciar o coronavírus da gripe A e B
Manhã na Clube: entrevistas com Alberto Feitosa (PSC), Márcia Horowitz e Andreia Rodrigues
Justiça por Beatriz: pais organizam peregrinação de 720 km para cobrar solução de assassinato
Grupo Diario de Pernambuco