Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

ELEIÇÕES 2022

Filiação de Bolsonaro rompe alianças do PL com aliados nos estados

Publicado em: 24/11/2021 17:39

 (Foto: Reprodução/TV PL)
Foto: Reprodução/TV PL
Atualmente, a previsão do presidente Jair Messias Bolsonaro, ainda sem partido para as próximas eleições, e seus apoiadores, é que o mandatário se filie ao PL no próximo dia 30 de novembro. Anteriormente adiada, a filiação teria sido adiada devido a discordâncias do chefe do Executivo em relação a alianças que a sigla tinha em alguns estados. 

Buscando garantir a entrada do presidente no partido, o presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, decidiu romper acordos já firmados com o governador de São Paulo, o tucano João Doria, e com o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, vice-presidente do União Brasil (sigla nascida da fusão entre PSL e DEM). 

ACM Neto e João Doria

Ao governador (e presidenciável disputando as prévias) João Doria (PSDB), Valdemar Costa Neto, aliado dos tucanos na Assembleia Legislativa de SP, prometeu apoiar a campanha de Rodrigo Garcia (PSDB), atualmente seu vice, ao governo do Estado. 

Contudo, Doria e Bolsonaro tornaram-se inimigos políticos e uma das exigências do presidente para sua filiação ao PL foi que a sigla não desse nenhum tipo de apoio ao candidato do PSDB no pleito de 2022. 

O desejo do presidente é viabilizar o nome de seu então ministro do Turismo, Tarcísio de Freitas, como candidato ao governo de São Paulo. Até o momento, Tarcísio resiste à ideia e, paralelamente, Valdemar afirma que apoiará o projeto de Bolsonaro em São Paulo. 

"Foi discutido, sim, com Valdemar Costa Neto e com o próprio Tarcísio. Essa é uma possibilidade", disse Bolsonaro à Rádio Sociedade da Bahia. "Não temos nomes para todo o Brasil, mas buscaremos a melhor maneira possível de coligar nomes que interessem para os respectivos estados", concluiu o presidente, que também deseja ver o nome de seu ex-ministro do Meio-Ambiente, Ricardo Salles, inserido na chapa de São Paulo como candidato ao Senado.

ACM Neto, além de vice-presidente do União Brasil, também é, no momento, pré-candidato ao governo da Bahia, tendo como principal oponente petista Jaques Wagner. ACM contava com o apoio do PL, tendo se encontrado com Valdemar Costa Neto meses atrás para fechar a aliança. No entanto, após a conversa com Bolsonaro, o presidente do PL decidiu apoiar João Roma, atual ministro da Cidadania, que já aliado de Neto, mas ambos romperam a relação que tinham quando o Republicano decidiu entrar para o Governo Federal como ministro. 

O Republicanos, contudo, ainda não está certo quanto ao lançamento do nome de João Roma, uma vez que ainda cogita uma aliança com ACM Neto, o que inviabilizaria a candidatura do atual ministro a outro cargo, como o de senador, por exemplo. 

Agora, o ministro da Cidadania conversa com Valdemar Costa Neto e cogita mudar para o PL. Outros ministros, como Onyx Lorenzoni (Trabalho) e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), também devem se filiar à sigla para concorrer ao Senado no Rio Grande do Norte (Marinho) e ao  governo do Rio Grande do Sul (Onyx).

Além de já ter chamado Bolsonaro de “radioativo”, ACM Neto vinha fazendo um aceno a Valdemar, articulando o apoio do Uniçao Brasil à reeleição do governador Cláudio Castro (PL) no Rio de Janeiro. Contudo, diante da quebra de acordos, Neto agora ameaça proibir que membros de seu novo partido declarem apoio a Bolsonaro, se o presidente de fato atrapalhar seus acordos políticos.

Veto a alianças com a esquerda 
 
Nesta quinta-feira (25), em entrevista concedida à Rádio Sociedade da Bahia,  Bolsonaro afirmou que todos os acertos foram fechados com Valdemar, e que não admitiria nenhuma aliança entre o PL e partidos de esquerda nos estados. "Foi acertado aqui [com Valdemar], não haverá qualquer coligação com partido de esquerda nos estados, isso está definitivamente acertado", disse o presidente.

O PL tinha, além das alianças com Doria e ACM, acordos com algumas legendas de esquerda, inclusive com o PT, em alguns estados da região Nordeste, como no Piauí, por exemplo, onde o desconforto com as exigências é tão grande que o deputado federal Fabio Abreu (PL-PI) afirmou, em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo que “com certeza" deixaria a sigla caso não tenha autonomia para apoiar o grupo político do governador Wellington Dias (PT-PI), que pretende indicar seu secretário de Fazenda, Rafael Fonteles (PT), para lhe suceder. 

Vale ressaltar que a filiação do presidente ao PL chegou a ser marcada para o dia 22 de novembro, quando o mandatário afirmou que sua ida ao partido estava “99%” fechada, e o motivo do adiamento foi justamente o impasse nos palanques estaduais, com ênfase a São Paulo e aos estados nordestinos onde há alianças com grupos de esquerda. 

Na última semana, Valdemar se articulou com diretórios estaduais do partido e conseguiu liberdade total para conduzir as negociações com Bolsonaro, revendo posteriormente, se necessário, acordos já firmados, abrindo, assim, caminho para voltar a negociar com o presidente. 

Pernambuco

A situação política em Pernambuco era difícil no que diz respeito à busca de Bolsonaro por um partido desde a época em que ele ainda considerava o PP como uma possibilidade, visto que a legenda faz parte da Frente Popular, grupo político do PSB no estado, de onde os membros da sigla não desejavam desembarcar, nem a tolerar ataques a políticas do prefeito do Recife, João Campos (PSB), em nome da defesa de atos de Bolsonaro, o que gerou problemas para a vereadora Michele Collins. 

Com o martelo batido para a filiação de Bolsonaro ao PL, o “pepino” mudou de mãos e foi o grupo político do atual prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PL), que passou a ter problemas no que diz respeito à condução de alianças no estado. 

Membro do movimento de oposição “Levanta Pernambuco” que engloba, além do PL, siglas como o PSDB, Cidadania e PSC, Anderson chegou a viajar a Brasília, onde ele e seu irmão, o deputado federal André Ferreira (PSC), se reuniram com Valdemar Costa Neto para debater o problema. 

Como resultado, Anderson, que também é presidente estadual do partido, obteve um comunicado oficial da sigla, assinado por Valdemar, garantindo sua autonomia no processo de composição de chapas proporcionais e majoritárias em Pernambuco. 

O Diario de Pernambuco entrou em contato com o prefeito e também com sua assessoria de imprensa em busca de uma entrevista, com o objetivo de questionar se houve alguma mudança provocada pelos acordos firmados entre Bolsonaro e Valdemar nesta semana, mas até o momento não recebemos resposta. Procuramos, ainda, a equipe de comunicação de ACM Neto em busca de mais informações sobre o imbróglio causado pela filiação do presidente da República ao PL, mas também não tivemos retorno até o momento da publicação desta reportagem.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Justiça por Beatriz: pais organizam peregrinação de 720 km para cobrar solução de assassinato
Pessoas que já tiveram covid podem adoecer novamente devido à ômicron
Reino Unido aprova mais um medicamento contra Covid-19
Manhã na Clube: entrevista com o deputado estadual Eriberto Medeiros (PP), presidente da Alepe
Grupo Diario de Pernambuco