Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

EDUCAÇÃO

Bolsonaro diz participar pouco da educação da filha: '90% é com a mãe'

Publicado em: 26/11/2021 18:52

 (Foto: Alan Santos/PR)
Foto: Alan Santos/PR
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) revelou na quinta-feira (25), em entrevista à rádio Sociedade da Bahia, participar pouco da educação da filha mais nova, Laura Bolsonaro, 11 anos. O presidente afirmou que "90%" da responsabilidade sobre a vida escolar da menina é da esposa.

Bolsonaro explicou que devido às suas funções, passa pouco tempo com a filha. “Tem dia, confesso a você, que saio de manhã, chego e nem a vejo em casa. A educação está muito mais voltada, muito mais, noventa e poucos por cento, para a mãe dela, a senhora Michelle”, disse o presidente.

Laura é a única filha de Bolsonaro com Michelle. Durante a entrevista, o chefe do Executivo comentou o episódio envolvendo um comentário que fez sobre a menina. Na ocasião, em 2017, ao falar sobre os filhos, Bolsonaro disse: "Foram quatro homens, a quinta eu dei uma fraquejada e veio uma mulher".

Durante a entrevista, o presidente também falou sobre a entrada da filha no Colégio Militar de Brasília. O jornal Folha de S.Paulo revelou em agosto que Bolsonaro pediu ao comandante do Exército, o general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, que Laura fosse matriculada na instituição sem passar pelo processo seletivo. Em outubro, Oliveira atendeu ao pedido.

O presidente riu ao dizer que a filha "reagiu" no começo à mudança de colégio. "Ela é um pouco alta, né, levando-se em conta a faixa etária dela. Ela se sentiu um pouco esquisita, né, na ida que foi ao Colégio Militar. Mas aceitou. Se Deus quiser, ela vai ter uma boa educação lá", completou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Ataque a tiros em escola nos EUA deixa 21 mortos
Para OMS, varíola do macaco ainda pode ser contida
Manhã na Clube: Henrique Queiroz Filho (PP), Edno Melo (Republicanos) e André Morais (CORECON-PE)
Soldado russo condenado à prisão perpétua por matar civil na Ucrânia
Grupo Diario de Pernambuco