Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

Política

Bolsonaro corrige fake news de apoiador sobre lei de Lula que permite incesto

Publicado em: 25/11/2021 18:33

 (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Nesta quinta-feira (25/11), o presidente Jair Bolsonaro precisou corrigir uma informação falsa de um apoiador no cercadinho próximo ao Palácio da Alvorada. Durante a típica conversa com simpatizantes, uma bolsonarista pede para que o presidente revogue uma suposta lei que teria sido aprovada pelo ex-presidente Lula e permite o incesto no Brasil. A suposta lei não existe.

"Já falaram no passado, mas não chegou nenhum projeto nesse sentido não", disse o presidente. 

Apesar de negar a existência da legislação, após insistência dos apoiadores, Bolsonaro rebateu a questão. "Lei 2010 aprova o incesto? Não, não. Eu desconheço. Vamos criticar com conhecimento", alertou o presidente.


Bolsonaro disse para criticarem com mais conhecimento.
 
 
 
Vale pontuar que é falsa a informação de que existe uma lei que permite ou facilita o abuso de crianças ou adolescentes ou a prática do incesto, independente de quando há relação amorosa ou sexual entre integrantes de uma família ou entre parentes consanguíneos.

No Brasil, não é crime ter relações incestuosas, quando praticadas por dois adultos. A prática é legal caso os adultos envolvidos não ofereçam ameaça ou violência, mas o casamento incestuoso não é permitido. No entanto, caso seja praticado com pessoas menores de 14 anos, o incesto pode se configurar em estupro de vulnerável. 

  
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Justiça por Beatriz: pais organizam peregrinação de 720 km para cobrar solução de assassinato
Pessoas que já tiveram covid podem adoecer novamente devido à ômicron
Reino Unido aprova mais um medicamento contra Covid-19
Manhã na Clube: entrevista com o deputado estadual Eriberto Medeiros (PP), presidente da Alepe
Grupo Diario de Pernambuco