Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

PROJETO

Marília se articula com Congresso para derrubar veto de PL que oferta absorventes

Publicado em: 07/10/2021 16:06

 (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
)
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vetou nesta quinta-feira (7) cinco trechos do projeto de lei 4968/2019, de autoria da deputada federal Marília Arraes (PT-PE), que previa a criação do Programa de Fornecimento de Absorventes Higiênicos. A decisão foi publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União (DOU). 

Marília criticou os vetos presidenciais. “É um absurdo sem tamanho, porque em um momento difícil como esse a gente trabalhou incansavelmente para haver uma conciliação, uma negociação em toda a Câmara, junto com o Senado também, unindo deputados e deputadas, principalmente, de diversas colorações partidárias. A bancada feminina inteira se mobilizou muito, mulheres de todos os partidos se mobilizaram", afirmou a deputada.

A pernambucana prometeu mobilizar o Congresso para derrubar os vetos. “Estamos tratando da vida, da dignidade de milhares de mulheres. Esse veto é um atentado contra todas nós e por isso não perdemos nenhum minuto. Já iniciamos as articulações e contamos com o valioso apoio da bancada feminina, independentemente de partidos. Vamos derrubar esse veto absurdo”, garantiu a deputada, que também já iniciou uma campanha nas redes sociais contra a medida. 

Outras parlamentares se pronunciaram sobre o assunto. “Bolsonaro vetou o projeto de distribuição de absorventes! Com isso, ele mostra seu desprezo pela dignidade das mulheres vulneráveis e pela luta da sociedade contra a pobreza menstrual. Vamos derrubar o veto e mostrar que o Brasil é muito melhor que Bolsonaro”, declarou a deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP).

A coordenadora da bancada feminina, deputada Celina Leão (PP-DF), também destacou que o projeto foi aprovado com apoio de todas as bancadas na Câmara e no Senado. “Conseguimos votar um projeto com impacto orçamentário mínimo para gente começar do mínimo. Nós tínhamos que dar acesso a essas mulheres a esse material que não é só kit de higiene; é kit de saúde. Muitas mulheres pegam infecção porque não conseguem fazer uso adequado dos absorventes”, lamentou.

“Ao vetar a distribuição gratuita de absorventes para mulheres em situação de extrema vulnerabilidade, o presidente Bolsonaro demonstra sua enorme insensibilidade e desprezo com milhares de mulheres. O veto demonstra o atraso do governo em avançar em ações que realmente importam”, apontou a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA).

Os artigos suprimidos previam a distribuição gratuita de absorventes higiênicos, além da oferta de cuidados básicos de saúde menstrual em escolas públicas de ensino médio e de anos finais do ensino fundamental. O texto também contemplava mulheres em situação de rua, em vulnerabilidade social extrema, presidiárias e menores em cumprimento de medida socioeducativa. No total, 5,6 milhões de pessoas seriam beneficiadas. (Com informações do Estado de Minas e Agência Câmara) 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Sileno Guedes e com a nutricionista Joyce Alencastro
CPI da Pandemia chega ao final com homenagens às vítimas da Covid
Manhã na Clube: ex-ministro Roberto Freire, dr. Cláudio Falcão e o advogado Pedro Avelino
Chama dos Jogos de Inverno é acesa
Grupo Diario de Pernambuco