Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CONGRESSO

Guedes terá que se explicar a deputados sobre empresa offshore

Publicado em: 06/10/2021 17:45

 (crédito: Edu Andrade/Ascom/ME)
crédito: Edu Andrade/Ascom/ME
O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (6), a convocação do ministro da Economia, Paulo Guedes, que terá que explicar à Casa sobre sociedade em empresa offshore mantida em paraíso fiscal no Caribe, com patrimônio de, pelo menos, US$ 9,55 milhões (cerca de R$ 51 milhões). A sessão para receber o ministro ainda não tem data marcada, mas, segundo notícia publicada no site da Câmara, poderá ser realizada na próxima semana.

Duas comissões já aprovaram a convocação de Guedes: do Trabalho, Administração e Serviço Público; e de Fiscalização Financeira e Controle. Vale ressaltar que, no Senado, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) também já manifestou querer ouvir o ministro da Economia e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, também apontado como dono de empresas em paraíso fiscal.

As revelações de que o chefe da pasta econômica é dono de offshore surgiram por meio do projeto Pandora Papers, do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), com parceiros em todo o mundo, incluindo no Brasil.

Apesar de a convocação ter sido aprovada com folga, por 310 votos favoráveis a 142 contrários, alguns parlamentares, como a deputada Caroline de Toni (PSL-SC), se manifestaram em defesa do ministro, sob o argumento de que os recursos de Guedes foram declarados à Receita e que as contas não teriam sido movimentadas. “Esse requerimento nada mais é do que um factoide, já que a grande mídia já explorou bastante a questão do vírus chinês no Brasil, e agora quer explorar uma situação que não tem nada a ver”, declarou.

O líder da oposição do governo de Jair Bolsonaro, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), defende que “o Parlamento brasileiro tem o direito e o dever de cobrar explicações do ministro da Economia”.
 
O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) relacionou duas ações diretas de Paulo Guedes com offshores: o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e a defesa de proposta com tributação mais vantajosa na reforma do Imposto de Renda. “Ele fez o aumento do IOF como ministro da Economia, mas ele não vai pagar. E ainda não quer prestar satisfação ao Parlamento”, afirmou.

É importante relembrar que, em julho deste ano, o ministro da Economia mandou retirar o artigo 6º da Reforma Tributária que determinava a taxação dos recursos de pessoas físicas brasileiras alocados em empresas mantidas em paraísos fiscais. Na época, Guedes deu poucas justificativas sobre a retirada do artigo. "Ah, 'porque tem que pegar as offshores' e não sei quê. Começou a complicar? Ou tira ou simplifica. Estamos seguindo essa regra", disse o ministro, em uma das ocasiões.

Tanto o ministro da Economia, Paulo Guedes, quanto o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, têm sido foco de suspeitas de infração à Lei de Conflito de Interesses (Lei nº 12.813/2013) no exercício de suas respectivas funções.

Na segunda-feira (4), o procurador-geral da República, Augusto Aras, abriu investigação a respeito dos investimentos no exterior de ambos os membros do governo. O Ministério Público Federal (MPF) em Brasília também abriu Procedimento Investigatório Criminal (PIC) para investigar o ministro da Economia.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Uso de máscara em locais abertos deixa de ser obrigatório no Rio
Manhã na Clube: entrevistas com o vereador Romero Jatobá (PSB), dr. Sérgio Paulo e Jaqueline Araújo
CPI aprova relatório que pede indiciamento de Bolsonaro
Manhã na Clube: entrevistas com Raul Henry, Gustavo Frigieiri e Vânia Besse
Grupo Diario de Pernambuco