Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

PREVENT SENIOR

ANS define diretora técnica para Prevent Senior após denúncias na CPI

Publicado em: 14/10/2021 18:47

 (Foto: Pedro França/Agência Senado)
Foto: Pedro França/Agência Senado
A Agência Nacional de Saúde Suplementar nomeou Daniela Daniela Kinoshita Ota para atuar como diretora técnica na Prevent Senior. A partir desta quinta-feira (14), a diretora passa a realizar acompanhamento para traçar o diagnóstico da situação da empresa e identificar anormalidades que possam colocar em risco a assistência àqueles que se beneficiam dos serviços da operadora de planos de saúde.

A partir da análise da diretora, a Prevent Senior irá elaborar o Programa de Saneamento Assistencial (PSA) para definir ações, responsáveis e prazos para a realização das atividades. O regime de direção técnica se conclui com a apresentação de um relatório, quando completados 365 dias de gestão. Depois, o relatório é encaminhado para a ANS, que irá definir as medidas a serem adotadas.

“Vale ressaltar que não se trata de uma intervenção, pois a ANS não interfere na gestão da operadora, mas de um acompanhamento com análises permanentes de informações e definição de metas a serem cumpridas pela operadora. O processo de acompanhamento não altera em nada o serviço de atendimento aos beneficiários, que deverá ser mantido normalmente e em tempo oportuno”, afirmou a ANS.

Diretora
Daniela Ota integra o cadastro de profissionais aptos a exercer a função de diretor técnico da ANS desde 2013 e não possui vínculo com nenhuma operadora. É a 6ª vez que a profissional atua como diretora em uma operadora de plano de saúde.

Formada em fisioterapia e gestão em saúde, com MBA executivo em saúde na Fundação Getulio Vargas, fez cursos de auditoria em saúde também na FGV e é avaliadora da Organização Nacional de Acreditação (ONA) desde 2007, sendo responsável pela avaliação de instituições em todo o país.

Denúncias
A operadora de saúde entrou na mira da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 após denúncias de que os médicos eram obrigados a receitar aos pacientes com Covid-19 medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença, como a hidroxicloroquina. Na maioria das vezes, as famílias não eram consultadas.

"Sou testemunha viva da política criminosa dessa corporação e de seus dirigentes", disse, na semana passada, em depoimento à CPI, Tadeu Frederico Andrade, ex-beneficiário da operadora de plano de saúde Prevent Senior, a quem ele acusa de "eliminar pacientes de alto custo".

TAGS: denúncias | cpi | senior | prevent | ans |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
CPI da Pandemia recomenda indiciamento de Bolsonaro
Manhã na Clube: entrevistas com Sileno Guedes e com a nutricionista Joyce Alencastro
CPI da Pandemia chega ao final com homenagens às vítimas da Covid
Grupo Diario de Pernambuco