Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

FAKE NEWS

STF dá 48 horas para Bolsonaro explicar MP que altera Marco Civil da Internet

Publicado em: 09/09/2021 18:39 | Atualizado em: 09/09/2021 18:42

 (Foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Foto: Ed Alves/CB/D.A Press
A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber determinou, nesta quinta-feira (9), o prazo de 48 horas para que o presidente Jair Bolsonaro, o advogado-geral da União, Bruno Bianco Leal, e o procurador-geral da República, Augusto Aras, se manifestem sobre a publicação da medida provisória (MP) 1.068, que altera pontos do Marco Civil da Internet.

A medida foi tomada pela ministra em resposta à ações movidas por diversos partidos de oposição. Na última terça-feira (7), o PSDB e o Solidariedade protocolaram Ações Diretas de Inconstitucionalidade (Adin) contra a MP editada por Bolsonaro na última segunda (6).

A Secretaria-Geral da Presidência da República afirmou que a MP "reforça direitos e garantias de usuários de redes sociais". "Ficarão assim disciplinados de modo mais concreto os direitos dos usuários à liberdade de expressão e à ampla defesa e ao contraditório no ambiente das redes sociais", disse a nota. 

Para o presidente nacional do partido, Bruno Araújo, o texto da medida afronta o Marco Civil da Internet e “inviabiliza o combate à disseminação de notícias falsas nas redes sociais e deixa caminho aberto para ataques à democracia”. 

Outros parlamentares já pediram ao presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que devolva a MP. O líder da oposição na Câmara, o deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), que foi relator do projeto de lei que instituiu o Marco Civil da Internet, já enviou um ofício a Pacheco nesse sentido, assinado por ele e demais líderes de partidos da oposição.

“Quero crer que o Presidente Pacheco vai devolver a MP. [...] Enquanto a MP estiver em vigor, a internet será um campo ainda mais fértil para campanhas de ódio e desinformação, sejam sobre Covid, vacinas e remédios, sejam sobre as eleições ou ataques à democracia. Bolsonaro editou essa MP às vésperas do 7 de setembro para poder continuar espalhando mentiras na internet e tentando manipular seus seguidores sem nenhum impedimento. Não pode prosperar uma iniciativa como essa”, ressaltou Molon ao Correio na terça-feira (7).

A MP passa a valer a partir de sua publicação, mas para se tornar lei depende ainda da aprovação da Câmara e do Senado, que podem rejeitá-la. O prazo de vigência da medida provisória é de 60 dias, prorrogável uma vez por um período igual de mais 60 dias. Caso não seja aprovada no prazo de 45 dias, contados da sua publicação, a pauta de votações da Casa legislativa, onde que ela estiver, é trancada até que seja votada ou perca a validade.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
As mães em plena pandemia: casal paulista adota cinco irmãos de Serra Talhada
Bolsonaro aumenta IOF para custear novo Bolsa Família
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Grupo Diario de Pernambuco