Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

SETE DE SETEMBRO

Partidos do centro avaliam impeachment de Bolsonaro após protestos

Publicado em: 09/09/2021 07:15

 (Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados)
Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Um dia após os protestos de Sete Setembro, com ataques do presidente Jair Bolsonaro a integrantes do Supremo Tribunal Federal, partidos de centro iniciaram uma movimentação para conter as investidas do Palácio do Planalto. Algumas legendas se articulam para a abertura de um processo de impeachment. Siglas como PSDB, Podemos e até o PSL, que está em processo de fusão com o DEM, se posicionaram com relação aos atos do chefe do Executivo.

Ainda na noite de terça-feira, o PSL e o DEM lançaram nota conjunta repudiando as atitudes de Bolsonaro nos atos de 7 de setembro. No posicionamento, os partidos, que poderão se tornar a maior sigla do país juntos, destacaram que a liberdade é um princípio democrático e não deve ser usado para “fins de discórdia, disseminação de ódio, nem ameaças aos pilares da própria Democracia''.

Apesar do conteúdo da nota, o PSL segue dividido em relação a Bolsonaro. Em plenário, o deputado Coronel Chrisostomo (RO), líder do partido, saiu em defesa do presidente e alfinetou o Supremo Tribunal Federal (STF) ao fazer coro aos pedidos de “liberdade de expressão”, tema defendido por manifestantes. “Será que o Zé Trovão (caminhoneiro bolsonarista) pode falar o que quiser? Parece que há impedimento sim. O povo quer liberdade para poder falar e nós, parlamentares, temos que defender isso aqui. O presidente do Bolsonaro defende o povo, e está sim, dentro das quatro linhas”, disse.

Na mesma linha, o líder do governo, Ricardo Barros (PP/PR), exaltou a popularidade do presidente Jair Bolsonaro. “Tivemos uma demonstração inequívoca de solidariedade e apoio às bandeiras defendidas pelo presidente Jair Bolsonaro. Milhões de pessoas foram às ruas de forma pacífica para demonstrar apoio ao presidente em suas teses, nos valores da família contra o ativismo político do Judiciário, que, na verdade, foi o principal tema dessa mobilização”, declarou.

Por unanimidade, o PSDB anunciou que passou a integrar a oposição a Jair Bolsonaro. A legenda que, por diversas vezes, adotou o mesmo tom do presidente, agora fala até na abertura de um processo de impeachment. Em nota, os tucanos convocaram os partidos de centro a se juntarem ao movimento para afastar o presidente da República, mas afastou uma coalizão com setores da esquerda. “É da união dessas forças que virá a derrota definitiva do projeto autoritário de poder que o atual ocupante do Palácio do Planalto encarna e a volta do modelo político e econômico petista também responsável pela profunda crise que enfrentamos”, afirma o comunicado tucano.

“Após o pronunciamento inaceitável do chefe do Poder Executivo, iniciamos o processo interno de discussão sobre a prática de crimes de responsabilidade cometidos pelo Presidente da República e o caminho mais eficiente para evitar o agravamento dessa crise na vida das pessoas”, conclui a nota.

Gasolina a R$ 7
Em uma linha mais moderada, semelhante à adotada pelos presidentes da Câmara e do Senado, o deputado federal Darci de Matos (PSD/SC) defendeu a pacificação dos Poderes para que o Brasil possa sair da crise. “É hora de buscarmos a conjugação de forças, de energia, de somatórias positivas de passarmos por cima das pequenas divergências e pensarmos no Brasil. Como Vossa Excelência (Arthur Lira) falou, vivemos um momento difícil. A gasolina chegando a R$ 7 o litro. A cesta básica tem valor absurdo. O gás também, valor absurdo. Milhões de desempregados, portanto aí reside o grande desafio dessa casa, do executivo e sobretudo das lideranças do nosso país”, disse.

Na manhã de ontem, as bancadas do Podemos na Câmara e Senado, decidiram não apoiar a abertura do processo de impeachment a fim de evitar mais uma crise. “O Podemos descarta aderir ao movimento de impeachment do Presidente Jair Bolsonaro, por entender que a abertura de uma nova crise política, em meio à pandemia de coronavírus, desemprego e crise econômica, só agravaria o sofrimento das camadas mais vulneráveis, que já vivem em situação de extrema dificuldade”, diz a nota do partido. 

Ainda na terça-feira, o PSD declarou instaurar uma comissão interna para avaliar os ataques de Bolsonaro. “Vamos acompanhar a conduta do governo para determinar, ou não, a defesa e o apoio a um eventual processo de impeachment do presidente da República”, disse o presidente nacional da legenda, Gilberto Kassab, em nota oficial do partido.

Em uma rede social, a presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) e deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-SP), fez convite aos partidos na luta pela redemocratização. “Não se trata de aderir a atos já marcados, mas de construirmos juntos o caminho”, escreveu no Twitter.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Tudo pronto para o lançamento da primeira viagem espacial para turistas
Manhã na Clube: entrevistas com Alberto Feitosa (PSC), Sérvio Fidney e Ana Holanda
Grupo Diario de Pernambuco