Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

PARALISAÇÃO NAS ESTRADAS

Jungmann indica Bolsonaro como líder dos atos de caminhoneiros

Publicado em: 09/09/2021 15:37

 (crédito: Miguel SCHINCARIOL / AFP)
crédito: Miguel SCHINCARIOL / AFP
Ex-ministro de Segurança Pública do governo de Michel Temer (MDB), Raul Jungmann afirmou nesta quinta-feira (9) que "o líder [dos protestos dos caminhoneiros] é o presidente da República". Em sua opinião, o episódio ocorre porque Jair Bolsonaro convocou o setor para as manifestações de 7 de Setembro. Também relembrou que, em 2018, Bolsonaro era associado às lideranças de caminhoneiros.

Na mobilização de três anos atrás, havia interesses empresariais envolvido nos atos, como acontece atualmente, pontuou. "Também havia o interesse de empresas transportadoras, que estimularam os autônomos fornecendo combustível, para chantagear o governo, fazer locaute. A Aprosoja [entidade de produtores de soja] é contra a discussão [no Supremo Tribunal Federal] para derrubar o marco temporal das discussões sobre áreas indígenas, por exemplo", afirmou Jungmann.

Para ele, a diferença dessa crise para a anterior é a conjuntura política do país. O ex-ministro acredita que ela não se prolongará, afinal muitas entidades do setor estão contra os atos.

O motivo inicial para a paralisação seria a utopia bolsonarista de um golpe — há mensagens nas redes sociais de que, se parassem o Brasil, conseguiriam uma intervenção militar, que seria comandada por frentes apoiadoras de Bolsonaro.

No entanto, com o posicionamento do presidente, divulgado na quarta-feira (8) à noite, por áudio, para encerrar as manifestações, ficou claro que a continuidade das manifestações resultaria em mais uma crise, dessa vez na economia. "Havia um apoio da classe média à greve de 2018. Mas quando as cidades ficaram sem abastecimento e isso impactou os preços, a coisa mudou", lembrou Jungmann.

Foi o ex-ministro que coordenou a desmobilização e o diálogo com a categoria na crise de 2018. Na época, existia uma pauta dos caminhoneiros autônomos. O governo federal fez tentativas de aproximação com as lideranças, mas, de acordo com o ex-ministro, “é algo disperso, de grupos que falam entre si. Com quem você negocia?", questionou. E a paralização piorou, continuou.

Foi após aprovação de pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tornar o movimento ilegal e a abertura de ações conjuntas da Polícia Federal com as Forças Armadas que houve uma negociação.
 
O governo cedeu parcialmente para chegarem a uma solução, foi retirada a cobrança de pedágio por eixo suspenso de caminhões e a alta do diesel foi parcialmente alterada.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Combate à gordofobia vira lei no Recife
Medicamento contra Covid-19 é recomendado pela OMS
Manhã na Clube: José Queiroz (PDT), Kleiton Boschi, Clarissa de França e Cristina Pires
Skate feminino decola no Brasil após Olimpíadas
Grupo Diario de Pernambuco