Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

ELEIÇÕES

Deputado sinaliza que TSE pretende deixar Bolsonaro inelegível para 2022

Publicado em: 04/09/2021 14:38

Segundo o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), dependendo do que o presidente declarar durante as manifestações de 7 de Setembro, pode ser usado contra ele (EVARISTO SA / AFP)
Segundo o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), dependendo do que o presidente declarar durante as manifestações de 7 de Setembro, pode ser usado contra ele (EVARISTO SA / AFP)
As manifestações do feriado de 7 de Setembro, no Dia da Independência, podem ser um gol contra para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O chefe do Executivo, que pretende demonstrar força política com seus apoiadores, está na mira dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), segundo o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS).

Cada declaração de Bolsonaro pode torná-lo inelegível, se for configurado crime. “ATENÇÃO: Ministros TSE discutem uma estratégia jurídica para deixar Jair Bolsonaro inelegível, dependendo do que acontecer e o tom adotado por ele nos discursos do dia 7, a Justiça Eleitoral pode negar a candidatura dele no próximo ano, se for configurado algum crime”, publicou o deputado no Twitter.

Bolsonaro já está na corda bamba com a Justiça Eleitoral, que no início de agosto enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma notícia-crime por vazamento de inquérito sigiloso. Na prática, a notícia-crime é um pedido de investigação no qual há o relato de uma suposta conduta criminosa.

Durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais, Bolsonaro atacou as autoridades para atacar as urnas eletrônicas e disseminou fake news já desmentidas por órgãos oficiais. O presidente chegou a divulgar o conteúdo de um inquérito da Polícia Federal sobre um suposto ataque ao sistema interno do STF. Na ocasião, eles distorceram as investigações, e Bolsonaro ainda publicou em rede social a íntegra do inquérito.

O inquérito ainda não foi concluído pela PF e, por lei, o servidor público tem obrigação de proteger informações sigilosas. Por isso, o ministro Alexandre de Moraes atendeu ao pedido do TSE e incluiu Bolsonaro entre as pessoas investigadas no inquérito das fake news.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
As mães em plena pandemia: casal paulista adota cinco irmãos de Serra Talhada
Bolsonaro aumenta IOF para custear novo Bolsa Família
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Grupo Diario de Pernambuco