Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CONGRESSO

Reforma administrativa deve ser votada na comissão até dia 15, diz Lira

Publicado em: 31/08/2021 22:02

 (Foto: Reprodução/YouTube)
Foto: Reprodução/YouTube
O relator da reforma administrativa, deputado Arthur Maia (DEM-BA), decidiu manter a estabilidade de todos os servidores na reforma administrativa. Desde que o assunto passou a ser discutido na Câmara, o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), prometeu que a PEC 32 não acabaria com nenhum direito adquirido dos atuais servidores. Os novos servidores, no entanto, também terão estabilidade — ao contrário do que o governo queria inicialmente.

Maia apresentou o parecer sobre a PEC 32 nesta terça-feira (31). A expectativa é que ele seja lido nesta quarta (1º/9) às 9h30 na comissão especial que analisa o tema. Ontem, Lira já adiantou que concederá vistas — mais tempo para apreciar a proposta — a todos os partidos. A votação da matéria na comissão deve ocorrer entre os dias 14 e 15 de setembro, o que, segundo ele, deve dar tempo às bancadas para estarem a par do relatório, podendo, assim, sugerir mudanças.

“É tempo mais que suficiente para que como sempre todas as dúvidas sejam retiradas, todas as versões sobre o texto sejam banidas”, disse o presidente da Câmara, em pronunciamento ao lado do relator e do deputado Fernando Monteiro (PP-PE), que preside a Comissão. Lira ressaltou que apesar de manter a estabilidade, a proposta traz algumas “atualizações” para tornar o Estado mais “leve”, “moderno” e para que seja possível mensurar a qualidade dos serviços.

Ele assegurou que a vontade do Congresso não é perseguir servidores públicos, mas melhorar a qualidade dos serviços. “Nunca fez parte ou é parte da vontade desse Poder ou do Congresso Nacional fazer verificação de funcionário público e sim do serviço público e é atrás disso que nós andamos”, afirmou.

O deputado Arthur Maia explicou que, além dos direitos adquiridos, há a expectativa de que outros benefícios também sejam mantidos. Ele chegou a citar subsídios e gratificações, sem, portanto, dar maiores detalhes. Maia afirmou que os servidores só poderão ser demitidos se tiverem uma avaliação de desempenho insuficiente – algo que se aplica apenas aos novos servidores.

O relator disse também que a PEC não detalha de que forma se dará a avaliação de desempenho, mas afirmou que ela indicará certos caminhos. O primeiro deles, segundo o deputado, visa evitar qualquer tipo de perseguição política.

“A avaliação de desempenho será realizada numa plataforma digital, que é o Gov.br. Hoje 110 milhões de brasileiros já estão inscritos no sistema. Outros 600 mil servidores do Brasil estão no SouGov.br. Então a avaliação de desempenho será feita no âmbito dessas duas plataformas que poderão ser disponibilizadas para estados e municípios”, pontuou.

Através da plataforma Gov.br, o cidadão também poderá avaliar o atendimento prestado por órgãos públicos. “Ele poderá entrar no gov.br para dar sua opinião sobre o serviço que está sendo prestado. Seja pela professora do seu filho, pelo atendimento que ele teve quando foi tirar uma carteira de habilitação e por aí vai. Mas terá de ter na avaliação de desempenho a presença da avaliação do usuário do serviço público”, detalhou.

O relator também retirou do texto do Executivo o vínculo de experiência e manteve o estágio probatório, com avaliação a cada seis meses, durante três anos, antes de conseguir a estabilidade no cargo. Outra alteração foi a retirada do contrato indeterminado. Dentre os regimes de contratação previstos no texto original, ficam mantidos apenas o tradicional (via concurso público) e o contrato temporário – cujos participantes também só poderão ser demitidos se possuírem avaliação de desempenho negativa.

“Esse contrato temporário é muito importante para dar flexibilidade e para qualificar o serviço público. Esse contrato será feito por meio de seleção simplificada nas prefeituras por um prazo. O contratado não pode, ao longo desse contrato temporário, ser demitido sem avaliação de desempenho. O contrato temporário também terá avaliação de desempenho. Essa é uma mudança profunda e estrutural no serviço público brasileiro”, disse Maia.

Ao Correio, o deputado professor Israel Batista (PV-DF), da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil), afirmou que considera positiva a manutenção da estabilidade dos servidores. "Com base na entrevista, considero uma vitória a manutenção da estabilidade dos servidores e a retirada do vínculo de experiência no texto. Mas me preocupa não saber as regras para contratação temporária e terceirização, meu temor é uma farra das contratações temporárias. Mas vamos aguardar a ServirBrasil analisar o relatório com calma", disse.

Ainda não há data para que o projeto vá ao plenário da Câmara, mas a expectativa é que ele seja apreciado ainda este ano, já que em 2022 ocorrem as eleições e o governo quer deixar de lado qualquer medida que comprometa a popularidade.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
As mães em plena pandemia: casal paulista adota cinco irmãos de Serra Talhada
Bolsonaro aumenta IOF para custear novo Bolsa Família
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Grupo Diario de Pernambuco