Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

DEPOIMENTO DE SANTANA

CPI da Covid: mensagens detalham esquema de corrupção na compra de vacinas

Publicado em: 26/08/2021 17:49

 (foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Durante depoimento do empresário José Ricardo Santana nesta quinta-feira (26) à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, o senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP) detalhou uma troca de mensagens que apontam para esquemas de corrupção dentro do Ministério da Saúde, envolvendo a Precisa Medicamentos. 
 
A empresa é investigada pela negociação para a compra de vacinas indianas da Covaxin. 

O senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP) perguntou ao empresário José Ricardo Santana sobre uma troca de mensagens entre ele e Marconi Perillo a respeito de uma operação da Polícia Federal que envolvia a Precisa Medicamentos. 

O empresário preferiu ficar em silêncio e o senador, então, relatou uma troca de mensagens, horas antes da operação acontecer, entre Francisco Maximiano, sócio da Precisa, e Marconi. 

"Quem informa o senhor Francisco Maximiano da operação às 5h11? De onde vazou a informação da operação? Antes da operação ser iniciada, o senhor Marconi e o senhor Francisco Maximiano conversam sobre a operação", afirmou Randolfe. 

Diante das alegações, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), diz que os fatos são gravíssimos e que deveriam ter sido apurados na época. 
A operação a que eles se referem é a Falso Negativo, que aconteceu em julho do ano passado no Distrito Federal e tinha como alvo a Precisa Medicamentos. 

"Os órgãos de controle e de investigação tinham conhecimento que o senhor Roberto Dias estava mancomunado com um time, com uma equipe e não foi tomada nenhuma providência", disse o presidente da CPI.

"Alguém foi omisso, alguém prevaricou ou não quis tomar decisões para afastar essas pessoas no tempo hábil. Pelo contrário, depois disso quem não afastou também é responsável pela Davati. Porque se tivesse afastado em julho, quando descobriram tudo isso, essas pessoas não estariam negociando vacina e com a vida dos brasileiros. Isso é grave, muito grave", continuou.

Aziz também afirmou que o Procurador Geral da República deve ser questionado do por quê essas pessoas não foram afastadas do Ministério da Saúde.  
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Após erupção do vulcão Cumbre Vieja, especialistas temem gases tóxicos
Manhã na Clube: Lucas Ramos (Sec. de Ciência e Inovação de Pernambuco) e dr. Catarina Ventura
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Grupo Diario de Pernambuco