Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

SUPREMO

Senadores apontam falta de articulação do Planalto na indicação de Mendonça ao STF

Publicado em: 21/07/2021 21:41

 (Advogado-geral da União não tem contado com atuação do Palácio do Planalto junto aos senadores. Nome precisará passar por aprovação na CCJ e no plenário da Casa. Foto: Alan Santos/ PR)
Advogado-geral da União não tem contado com atuação do Palácio do Planalto junto aos senadores. Nome precisará passar por aprovação na CCJ e no plenário da Casa. Foto: Alan Santos/ PR
Com a indicação confirmada pelo presidente Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal (STF), o advogado-geral da União (AGU), André Mendonça, não tem contado com a articulação do Palácio do Planalto no Senado para que seu nome seja aprovado pelos senadores. É o que tem sido dito por parlamentares.

André Mendonça articula há tempos para conseguir a indicação e assumir a vaga deixada pelo ministro Marco Aurélio Mello. Percorre os corredores do Senado muito antes de Bolsonaro confirmar a indicação. Uma semana antes, foi a um almoço promovido no gabinete do senador Wellington Fagundes (PL-MT), para se colocar à disposição e buscar mais apoio ao seu nome. Na ocasião, disse que queria visitar os senadores em seus estados, e que organizaria as visitas, o que tem sido feito.

No dia, entretanto, o Senado votava a indicação de autoridades a órgãos, como a diretoria-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A sala, então, ficou com um “entra e sai” de parlamentares, e Mendonça tentando articular. Bem antes disso, no início de junho, ele já era uma figura vista nos corredores do Senado, fazendo já algumas visitas.

Um parlamentar disse à reportagem que o Palácio do Planalto não está articulando em prol do nome, deixando esta movimentação por conta do próprio AGU. Há alguns meses, ele percebia uma movimentação maior para defender a indicação do que o que ocorre agora.

O que se comenta no Senado é que a resistência não é tanto a Mendonça, mas à postura do governo em relação a vários temas, o que deixou alguns senadores insatisfeitos. Um deles é a votação do Fundo Eleitoral. Governistas votaram a favor da previsão de R$ 5,7 bilhões e, depois, criticaram a aprovação.

Aras entre cotados
Existe uma ala que queria o nome do atual Procurador-Geral da República (PGR), Augusto Aras, à vaga do STF. Bolsonaro, inclusive, antecipou o anúncio de que Aras será reconduzido à chefia da PGR, após indicar o nome de Mendonça. Atua com afinco nesta ala o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), que não quer que o AGU seja ministro do STF. O parlamentar é presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), por onde o indicado ao STF passa por sabatina e aprovação antes de ter o nome remetido ao plenário.

Aras seria um nome mais bem visto por alguns senadores que são anti-Lava-Jato. As forças-tarefas lavajatistas foram extintas sob a sua gestão. Já os senadores que apoiam a operação criticam inclusive a recondução de Aras à PGR. Na sabatina na CCJ, Augusto Aras deve ser questionado sobre essa postura à frente da procuradoria.

Líder do PSDB no Senado, Izalci Lucas (DF) disse que o governo tem agido sem mobilização com diversos outros temas. “Não existe articulação. As coisas têm andado muito em função do próprio Congresso”, afirmou.

Líder do bloco Podemos/PSDB/PSL, Lasier Martins (Podemos-RS) diz que sua percepção é de que muita gente não quer Mendonça no STF por ele parecer mais rigoroso em relação a infratores.

Outra avaliação que corre nos bastidores, no entanto, é de que há uma resistência a ele justamente pelo seu grande alinhamento com o presidente Jair Bolsonaro. Mendonça foi muito criticado por ter usado a Lei de Segurança Nacional (LSN), vista como 'entulho da Ditadura Militar’, para investigar críticos ao governo.

Lasier disse que o líder do governo, Fernando Bezerra, deveria estar trabalhando nos bastidores em prol do nome de Mendonça, mas não tem visto essa movimentação. “Ninguém está se mexendo, ninguém fez contato”, alegou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com o médico geriatra Marcelo Cabral
Apesar dos protestos, começa a Olimpíada de Tóquio
Manhã na Clube: entrevista com o Presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP)
Em busca por vestígios de vida em Marte
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco