Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

ORÇAMENTO

Senadora Rose de Freitas promete imparcialidade à frente da CMO

Publicado em: 07/07/2021 14:43

 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
crédito: Ed Alves/CB/D.A Press
A senadora Rose de Freitas (MDB/ES) foi eleita presidente da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO). A parlamentar, que já havia presidido o órgão em 2015, assumiu o lugar de Flávia Arruda (PL/DF), e designou o deputado Juscelino Filho (DEM-MA) como relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022. A eleição e instalação da Comissão ocorreu hoje (7), pela manhã.

Após assumir a mesa, Rose de Freitas falou sobre o atual cenário político no país, que será um dos desafios dos trabalhos da comissão em 2021/2022. “Como vamos viver esse momento, em cima de uma disputa? O país precisa que a política se organize, para encontro do povo e realizações melhores do que as que estamos vivendo até agora”, afirmou a líder do colegiado.

A senadora destacou aos membros da CMO que o trabalho da comissão, sob sua liderança, será baseado na “imparcialidade, pontualidade e seriedade”. A senadora também criticou a maneira "improvisada" como os trabalhos vêm ocorrendo na comissão, e falou sobre a importância do planejamento para a organização desse cenário.

“O orçamento tem que ter uma prioridade real a favor do Brasil, distante das necessidades pessoais, de grupos, dos comportamentos de oposição ou de situação. Nós precisamos dar à sociedade um planejamento. Áreas como educação, ciência e tecnologia, saúde e agricultura devem ser objetos de discussão permanente, e não apenas em um socorro que se pede de uma hora para a outra. Não é o improviso que vai ditar o desenvolvimento que esse país precisa retomar”, destacou a senadora.

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, presente na eleição de Rose, parabenizou a senadora pelo cargo e falou sobre as expectativas de normalização dos trabalhos da CMO que, segundo ele, tiveram forte interferência da pandemia de covid-19, especialmente em 2020.

“Espero que tenhamos normalidade dos trabalhos para apreciação do parlamento. Quero me colocar à disposição para tudo aquilo que eu puder colaborar com a CMO”, disse Pacheco.

Passado e presente
 
A senadora relembrou, também, o período em que foi presidente da CMO em 2015, e afirmou que a comissão exigirá dedicação integral e absoluta.

“Sem orçamento, éramos criticados dentro do Senado, e houve uma grande insegurança e instabilidade política, que se refletiu no que aconteceu, logo em seguida, no Brasil (impeachment)", disse. Ela contou que aceitou o cargo à revelia da família, uma vez que a função exige dedicação integral.

"Eu recebi um apelo da minha família para que não assumisse a CMO novamente, porque a Comissão requer dedicação integral e atenção absoluta. Nem tudo o que transparece publicamente é o que, na verdade, se organiza em torno da CMO”, ressaltou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Bolsonaro investigado: Não aceitarei intimidação
Manhã na Clube: entrevistas com prefeito João Neto (PL), dra Tamires Sales e advogado Rômulo Saraiva
Manhã na Clube: entrevistas com Chico Kiko, Diego Pascaretta e Rômulo Saraiva
Domitila, artivista e recifense que está entre as selecionadas do Miss Alemanha 2021
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco