Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CASO COVAXIN

Luis Miranda confirma que irmão não possui conversas originais do caso Covaxin

Publicado em: 20/07/2021 14:18

 (crédito: Marcelo Ferreira/CB)
crédito: Marcelo Ferreira/CB
O deputado Luis Miranda (DEM-DF) afirmou, na manhã desta terça-feira (20), que o seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, não possui mais o aparelho de celular que usou nas conversas em que ele alega ter sido pressionado para acelerar a compra da vacina indiana Covaxin. A denúncia foi feita pelos irmãos e reforçada na CPI da Covid, no mês passado.

O parlamentar disse que trechos do depoimento do seu irmão à Polícia Federal, na última quarta-feira (14), estão sendo vazados à imprensa para gerar confusão e que as falas estão sendo retiradas de contexto. Ele justificou que, apesar de seu irmão não possuir mais o aparelho original, é possível, nas investigações, investigar os outros dispositivos que se comunicaram com ele.

“Ele tem os prints, as conversas, os áudios e na época ele encaminhou tudo. Vale ressaltar que ele não tem o aparelho que originou as trocas de mensagens que o pressionavam, aquela pressão atípica que ele não recebeu em outros contratos. Mas isso não é crime, eu posso ser um patrão chato e pressionar meus funcionários. O crime está na improbidade administrativa, o crime está na corrupção, se existe, obviamente. É querer pagar uma empresa em um paraíso fiscal que não está no contrato, que em momento nenhum foi citada”, disse Luis Miranda em entrevista ao portal UOL.

O parlamentar afirma que vê, claramente, um crime de improbidade administrativa no caso da Covaxin. “O crime está aí. E para identificar esse crime, independe de ter o aparelho original que trocou as mensagens com pressão ou não. Então isso é uma cortina de fumaça”. Seu irmão teria trocado de aparelho, segundo Miranda, logo após o encontro com Bolsonaro, o que não configura destruição de provas, pois ainda não havia investigação em andamento.

“O aparelho do Luis Ricardo não existe aqui, mas existe o aparelho do Roberto Dias do outro lado, que no momento em que esse aparelho não foi trocado antes de ser acionado na investigação, a partir do momento que há a prova, é destruição de provas”, disse.

E continuou: “O meu irmão trocou um pouco depois de ter ido no presidente. Comprou um aparelho novo, fez todo um backup. Na opinião dele, fazer o backup era dar print, guardar os documentos, ele não tinha noção de que tinha que guardar o aparelho original para validar se aquela mensagem saiu ou não do aparelho dele. Mas em uma investigação, você consegue validar pela outra ponta”, argumentou.

O deputado, por sua vez, afirma ter as conversas das quais participou. Ele ainda afirmou que seu irmão não foi questionado, no depoimento, sobre invoices (notas fiscais) da vacina indiana e nem sobre a existência de uma gravação da reunião com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Miranda revelou que, na PF, seu irmão depôs apenas para o delegado responsável pela investigação, sem a presença de terceiros. O servidor, segundo ele, só foi questionado sobre o encontro com Bolsonaro após quatro horas de depoimento.

O delegado teria anotado nomes de empresas e de funcionários que estariam fazendo pressão pela compra da Covaxin, entre eles o de Roberto Dias — denunciado posteriormente por supostamente pedir propina na negociação — e o do coronel Marcelo Bento Pires, subordinado a Elcio Franco.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
EUA planejam abrir fronteiras para vacinados
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Doriel Barros (PT), Fernando Murta e Elmo Santos
Homem com granada mobiliza polícia de Kiev
Manhã na Clube: entrevistas com Eduardo Leite (PSDB),  Sérgio Montenegro e Joaquim Francisco
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco