Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CPI

Em carta, CPI cobra de Bolsonaro resposta sobre afirmações de Luis Miranda

Publicado em: 08/07/2021 17:36

 (crédito: Jefferson Rudy/Agência Senado)
crédito: Jefferson Rudy/Agência Senado
A Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid protocolou no Palácio do Planalto, nesta quinta-feira (8), uma carta endereçada ao presidente Jair Bolsonaro na qual pede que o mandatário explique as acusações feitas pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF) e o irmão, o servidor público Luís Ricardo Miranda sobre suspeitas de corrupção no contrato de compra da vacina indiana Covaxin.

"Após treze dias, o senhor não emitiu qualquer manifestação afastando de forma categórica, pontual, e esclarecedora as graves afirmações atribuídas a Vossa Excelência, que recaem sobre o líder de seu governo", diz um trecho do documento.

"Entre os inúmeros temas tratados, os depoentes descreveram em detalhes o encontro que tiveram com Vossa Excelência, no Palácio do Planalto, no dia 20 de março de 2021, ocasião na qual teriam lhe alertado a respeito de vícios insanáveis e indícios de irregularidades na documentação referente à importação de 20 milhões de doses da vacina Covaxin."

A carta ainda faz referência ao deputado Ricardo Barros, apontado como possível chefe do esquema por trás da compra do imunizante. Após  pressão dos senadores na CPI, Luis Miranda disse que o nome de Barros foi citado por Bolsonaro como o responsável, após o presidente ouvir a denúncia das irregularidades.

"Um dos temas mais sensíveis, motivo deste expediente especificamente, constitui a referência que teria sido feita por Vossa Excelência ao líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros."

O texto aborda depoimento do deputado Luís Miranda, que relatou que Bolsonaro teria dito que entendeu a gravidade da situação e acionaria a Polícia Federal. Segundo Miranda, Bolsonaro teria dito que, aparentemente, se tratava de "um rolo" de Ricardo Barros.

Segundo os membros da CPI, o silêncio do presidente acerca do assunto prejudica a conclusão das investigações. "Solicitamos em caráter de urgência, diante da gravidade das imputações feitas, que Vossa Excelência desminta ou confirme o teor da declaração do deputado Luís Miranda. Frisamos que a manutenção do silêncio de Vossa Excelência em relação ao fato específico cria uma situação duplamente perturbadora. De um lado, contribui para a execração do Deputado Ricardo Barros. Segundo, ao não desmentir o relato do deputado Luis Miranda, impede-se que, em não sendo verdadeiras as referenciadas informações, sejam tomadas medidas disciplinares pertinentes", diz o documento.

A carta, assinada pelo presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), pelo vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL), conclui que, "caso Bolsonaro desminta de forma assertiva o deputado, a CPI se compromete a dele solicitar esclarecimentos adicionais e provas". "Havendo tal conflito, será permitido à sociedade que tenha o direito de saber a verdade sobre os fatos. Por fim, citou um salmo que o presidente costuma usar em viagens pelo Brasil: "E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará".
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Terceira dose de vacina anticovid começa a ser aplicada em Israel para aumentar imunidade
Manhã na Clube: entrevistas com coronel Luiz Meira (PTB), Regina Sales e Maria Dulce
Manhã na Clube: entrevistas com José Maria Eymael, Rodrigo Floro e Chico Kiko (PP)
Leão se afasta de parque onde vive solto e assusta moradores de cidade africana
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco