Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

INVESTIGAÇÃO

CPI pede ao STF esclarecimento sobre depoimento de sócio da Precisa

Publicado em: 13/07/2021 15:45

 (crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado)
crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado
A cúpula da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 enviou ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, um pedido para que seja esclarecida a extensão da decisão proferida pela ministra Rosa Weber que concedeu ao sócio da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiano, o direito de permanecer em silêncio na oitiva da CPI. Caso Fux afirme que o silêncio de Maximiano vale apenas para fatos que possam incriminá-lo, os senadores devem ouvi-lo na próxima quarta-feira (13).

Os parlamentares entendem que há uma discrepância nas decisões de Rosa e de Fux, que deu um habeas corpus parcial à diretora técnica da Precisa, Emanuela Medrades, concedendo a ela o direito de permanecer em silêncio sobre fatos que a incriminem, e negou o pedido de não comparecer. "Impondo-se, quanto aos fatos, em tese, criminosos de que a paciente seja meramente testemunha, o dever de depor e de dizer a verdade, nos termos da legislação processual penal", afirmou.

“No caso do Maximiano, ele tem uma cobertura muito mais ampla de não poder falar do que ela. Nós queremos trazê-lo e queremos que o Fux se posicione sobre isso. Nós fizemos um embargo de declaração para que ele possa se manifestar, esperamos que assim seja dizendo: ‘A extensão da minha decisão é igual para um e para outro”, afirmou o senador Humberto Costa, integrante da comissão.
 
De acordo com o parlamentar, a ideia é que, uma vez que Emanuela não fale, que seja chamado Maximiano. “Para nós, ficou muito claro que o papel da defesa ali não é protegê-la. É proteger Maximiano. Esse é o objetivo. Porque os advogados a orientaram a desbaratar o que está previsto na decisão do Supremo”, disse.

Os senadores também consultaram Fux sobre se Emanuela poderia ficar em silêncio em todos os questionamentos, ao que o ministro informou que ela deve responder perguntas de fatos que não a incriminem. Um pedido de informação formal também foi enviado ao ministro. A sessão foi suspensa pelo presidente Omar Aziz (PSD-AM) enquanto aguarda-se o fim do imbróglio.

Contratado sob suspeita
 
A Precisa Medicamentos fechou um contrato com o Ministério da Saúde em 25 de fevereiro, no valor de R$ 1,6 bilhão, para a compra de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin, produzida pelo laboratório Bharat Biotech. O contrato é alvo de questionamentos na CPI e, por isso, os senadores querem ouvir os representantes da empresa, em especial Maximiano, que é sócio da Precisa e participou ativamente da articulação em prol do imunizante.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Terceira dose de vacina anticovid começa a ser aplicada em Israel para aumentar imunidade
Manhã na Clube: entrevistas com coronel Luiz Meira (PTB), Regina Sales e Maria Dulce
Manhã na Clube: entrevistas com José Maria Eymael, Rodrigo Floro e Chico Kiko (PP)
Leão se afasta de parque onde vive solto e assusta moradores de cidade africana
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco