Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CPI

Covax: governo contratou 100 milhões de doses a menos que o indicado por área técnica

Publicado em: 08/07/2021 17:52

 (crédito: Mamyrael/AFP)
crédito: Mamyrael/AFP
Em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, nesta quinta-feira (8/7), a ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) Francieli Fontana Fantinato afirmou que a área técnica fez uma nota indicando que o governo deveria contratar entre 140 milhões a 242 milhões de doses da vacina ofertada pelo consórcio Covax Facility, da Organização Mundial da Saúde (OMS). O governo, entretanto, optou por contratar 42 milhões de doses, 10% do que lhe foi ofertado, e cerca de 100 milhões a menos do que o indicado pelos técnicos. 

“Nós fizemos uma nota inicial da Covax Facility pedindo já o quantitativo, diante daqueles cenários que eu já apontei aqui. Eram cenários ainda de incerteza”, disse Francieli. De acordo com ela, avaliação, em 19 de junho, era de que a quantidade deveria ser de 140 milhões a 242 milhões de doses, tendo em vista este cenário de incerteza, e avaliando que seria a aplicação em uma dose apenas, pois na ocasião ainda não havia estudos apontando que seriam duas doses.

“No melhor cenário, a gente precisaria em torno de 140 milhões de doses para tentar um controle da transmissão. Se não fosse possível trabalhar com o controle da transmissão, trabalhar com a redução da mortalidade e óbito, com um quantitativo tendo em vista a manutenção da força de trabalho no setor de saúde, risco de complicações e óbito, e a manutenção de funcionamento dos serviços essenciais”, explicou.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que fazia as perguntas, então pontuou: “Cerca de 100 milhões de doses abaixo do desenhado pela equipe técnica, mesmo considerando que fossem vacinas de dose única”.

Secretaria Executiva definiu o número de doses
 
Antes, quando era questionada pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), a ex-coordenadora explicou que, em relação ao consórcio Covax, ela já recebeu o contrato fechado, com adesão em 10%. De acordo com ela, em uma nota técnica inicial do Covax, a área apontou “que tinha necessidade de vacinar dentro dos cenários ou 55% da população até 95%, num cenário de incerteza”.

“Depois, veio o contrato fechado, para que a gente se manifestasse, por uma nota técnica, qual seria o grupo a ser atendido com aqueles 10%. Então, o Programa Nacional de Imunizações não participou da questão da escolha do percentual que tinha no mecanismo Covax”, disse. As contratações de vacinas, segundo ela, ficavam com a Secretaria Executiva, então chefiada pelo coronel Elcio Franco.

“Eu perguntei verbalmente se a gente ia aderir, porque, inicialmente, era para 20%, e o que me foi respondido é que não era para se investir todos os ovos na mesma cesta, um linguajar assim, que não poderia se investir em tudo isso, porque era um investimento de risco”, disse.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com o prefeito João Campos (PSB) e o governador Paulo Câmara (PSB)
De origem humilde, potiguar Ítalo Ferreira é o primeiro ouro do Brasil em Tóquio
Manhã na Clube: entrevistas com Ubiracé Elihimas e Frederico Belfort
Manhã na Clube: entrevista com o médico geriatra Marcelo Cabral
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco