Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CPI DA COVID

Barros entra com mandado de segurança para ser ouvido na CPI da Covid

Publicado em: 02/07/2021 21:37

 (Foto: MICHEL JESUS/CÂMARA DOS DEPUTADOS
)
Foto: MICHEL JESUS/CÂMARA DOS DEPUTADOS
O deputado federal e líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP/PR), protocolou, nesta sexta-feira (2), um mandado de segurança junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) solicitando que o depoimento dele à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 seja mantido para a próxima quinta-feira (8).

“Alego que estou sendo impedido de exercer minha ampla defesa por abuso de poder da CPI, que ataca minha honra indevidamente”, escreveu Barros pelas redes sociais, disponibilizando o texto do pedido, protocolado em caráter liminar.

A defesa de Barros contextualiza que ele vem sendo atacado desde o depoimento do deputado Luis Miranda (DEM/DF), em 25 de junho, ocasião em que o parlamentar apontou o líder do governo como responsável por um suposto esquema de corrupção na compra de vacinas contra a Covid-19.

“A imprensa e os parlamentares (especialmente os senadores de oposição ao governo integrantes da CPI) têm alimentado inúmeras acusações, especulações e ilações contra o Impetrante, com o notório propósito de desgastá-lo (bem como desgastar o governo) perante a opinião pública”, alega o texto, reforçando que “o impetrante tem buscado, desde a primeira acusação, demonstrar que está à disposição [da CPI] e, mais do que isso, que possui vontade de depor.”

No contexto do mandado de segurança, Barros volta a destacar que não é verdade a acusação feita por Miranda, tampouco as indicações de figuras apontadas como participantes do suposto esquema criminoso, como a servidora Regina Célia Oliveira, que assinou a autorização de importação da Covaxin no lugar do servidor Luis Ricardo Miranda, que denunciou o esquema. Também nega indicação do ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias, acusado de pedir propina em negociação envolvendo a empresa Davati Medical Supply.

Diante do desgaste da imagem do parlamentar, a defesa alega que o adiamento “constitui abuso de poder, ofende o princípio da motivação e viola o direito líquido e certo do Impetrante à ampla defesa”. Segundo sustentam os advogados, Barros necessita da concessão de medida liminar “na medida em que é evidente o prejuízo inestimável que lhe causa cada dia em que não pode se manifestar na mesma arena em que lhe vêm sendo feitas descabidas acusações, vale dizer, na CPI”.

Por isso, o pedido é para que seja mantido o depoimento para 8 de julho ou, no máximo, 10 dias a contar desta sexta-feira, ou seja, até 11 de julho, “ou em intervalo que este nobre julgador entender razoável”, reitera.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Chico Kiko, Diego Pascaretta e Rômulo Saraiva
Domitila, artivista e recifense que está entre as selecionadas do Miss Alemanha 2021
Terceira dose de vacina anticovid começa a ser aplicada em Israel para aumentar imunidade
Manhã na Clube: entrevistas com coronel Luiz Meira (PTB), Regina Sales e Maria Dulce
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco