Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CPI

Copa América vai parar na CPI da Covid em depoimento de Queiroga

Publicado em: 08/06/2021 14:10

 (Foto: SILVIO AVILA/AFP)
Foto: SILVIO AVILA/AFP
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, defendeu a realização da Copa América no Brasil nesta terça-feira (8) em resposta a questionamentos do senador Renan Calheiros (MDB-AL). O médico fala pela segunda vez à Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid-19. Mais incisivo do que na primeira vez que foi ao colegiado, o ministro disse aos parlamentares que “a prática de esportes é liberada no Brasil”. Ele usou como exemplo outros campeonatos futebolísticos e afirmou, ainda, que “não há provas de que essa prática aumenta o nível de contaminação dos atletas”.

Em novembro de 2020, clubes da Série A enfrentaram dificuldades na escalação de jogadores justamente por conta da infecção por Covid-19. Foram mais de 300 contaminados. Senadores lembraram ao ministro de que não haverá exigência de vacinação dos atletas na Copa América, que trará delegações do exterior com esportistas e equipe técnica das respectivas seleções participantes. “O campeonato brasileiro aconteceu com mais de 100 partidas, sem público nos estádios, e houve apenas um caso positivo com paciente hospitalizado”, disse o ministro.

“Estão acontecendo a Libertadores, as eliminatórias da Copa, a Sul-Americana, campeonato Panamericano no Rio. O esporte está liberado no Brasil. Os exames exigidos ocorrem normalmente, independentemente de futebol. Qualquer um entra com o exame, os transportes nos ônibus ocorrem de maneira controlada, com EPI (equipamento de proteção individual), vão para o hotel, ficam isolados nos quartos. Eu pedi para a diretora do Departamento de Ciência e Tecnologia para fazer uma revisão sistemática, e não consta que essa pratica aumente a circulação do vírus, podendo colocar em risco a vida dos jogadores ou da comissão técnica”, garantiu Queiroga.

Ele disse que o presidente da República, Jair Bolsonaro, pediu para o Ministério da Saúde avaliar os protocolos da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), e que governadores também aceitaram realizar os jogos. “Brasília, Goiás, Mato Grosso e Rio de Janeiro estão de acordo com esse tipo de atividade, e a fiscalização se dará pelas autoridades sanitárias dos municípios. Não vejo, do ponto de vista epidemiológico, uma justificativa para não se fazer o evento”, defendeu, afirmando que pode apresentar a fundamentação da avaliação da pasta.

Relator da CPI, Renan Calheiros perguntou se há risco para as delegações, população e de sobrecarga no SUS. “Todos os atletas têm seguro. Se houver sinistro vão usar o sistema privado, e membro da comissão técnica (também). Não tendo público, não tem risco de aglomerações e contaminação maior. E o risco que a pessoa tem de contrair a covid é o mesmo, com o jogo ou sem o jogo. Não estou assegurando que não há risco. Estou dizendo que não há risco adicional. A Copa América tem 625 envolvidos. Não é muita gente”, emendou.

2 mil credenciamentos
 
Calheiros lembrou ao ministro que a imprensa também trabalhará no campeonato e que existe solicitação de pelo menos 2 mil credenciamentos. O vice-presidente do colegiado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), destacou os casos de contaminação entre atletas por covid no campeonato brasileiro de 2020. Queiroga minimizou a gravidade das ocorrências. “As pessoas estão vivendo e podem adquirir a covid. A gente está falando na questão em campo. E eles vão ficar em bolha, vão ficar no hotel”, disse.

O senador governista Rogério Carvalho (DEM-RO) interrompeu e disse que os atletas estarão vacinados. Mas Calheiros discordou e lembrou que a vacina não será obrigatória e, portanto, não se deve considerar que os visitantes estarão vacinados. “Se tivesse exigência, não teria como acontecer os campeonatos”, lembrou. O senador voltou-se novamente para Queiroga e lembrou que a Copa América foi rejeitada por outros países antes de Jair Bolsonaro aceitar a realização do campeonato no Brasil.

“A Copa América é um evento pequeno, com número pequeno de pessoas, não é uma olimpíada. Os protocolos apresentados pelo Ministério da Saúde são seguros e, se for seguido, não teremos riscos adicionais aos jogadores. Essa é a opinião do Ministério da Saúde nesse momento”, respondeu.

Posteriormente, o senador Humberto Costa (PT-PE) contradisse o ministro sobre o tema. Disse que o Ministério da Saúde deve tratar da saúde pública como um todo, e lembrou que um massagista morreu no campeonato brasileiro, contaminado por Covid. Também destacou que argumentar que os jogadores usariam hospitais privados é uma tese temerária. “É uma questão gravíssima, séria para a saúde pública, e o Ministério da Saúde não teve o poder de aceitar ou vetar”, afirmou.

Autonomia
 
Queiroga disse que a decisão não competiria ao Ministério da Saúde, mas o petista não aceitou. Lembrou que o país está no meio da pandemia e que o presidente não ouve o ministro que, portanto, não tem autonomia. “Vejo pela irritação de algumas falas de vossa excelência, não se irrite conosco, sinto que vossa excelência não está em uma posição cômoda”, provocou o parlamentar, que disse que o ministro está abandonado no colegiado.

“Se o presidente dissesse que a decisão é sua, ministro, tenho certeza de que não faria (a Copa América). A posição de vossa excelência é incômoda. Eu acho que vossa excelência está saindo. Eu acho. Eu torço que não. Mas não há possibilidade de alguém que queira fazer um trabalho sério nesse país ficar no governo. É o mesmo problema que teve a doutora Luana (Araújo)”, insistiu o parlamentar.
TAGS: cpi | américa | copa |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Time de engenheiros se une para montar respiradores 15 vezes mais baratos e salvar milhares de vidas
Manhã na Clube: entrevistas com Marília Arraes, Marcella Salazar e Aurimar Borges Jr
Presidente da Argentina faz ataques xenofóbicos ao Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Tadeu Alencar e Túlio Rangel
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco