Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

POLÊMICA

Bolsonaro não aceita recusa dos jogadores para participar da Copa América

Publicado em: 06/06/2021 11:05 | Atualizado em: 06/06/2021 11:52

 (Foto: MAURO PIMENTEL/AFP)
Foto: MAURO PIMENTEL/AFP
Diante da possibilidade de os jogadores da seleção brasileira e o técnico Tite se recusarem a participar da Copa América, cujo início está marcado para 13 de junho, o presidente Jair Bolsonaro enfrenta mais um desgaste, agora, vindo de dentro das “quatro linhas”. O Palácio do Planalto está irritado e preocupado com a eventual recusa de a equipe principal participar da competição, que veio parar no Brasil depois que Colômbia e Argentina se recusaram a sediá-la. Por conta da iminência de um vexame, o presidente já avisou que o assunto virou “questão de honra” e fez chegar à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) a determinação de fazer com que a Seleção dispute o torneio com força total.

O sinal de alerta soou no Planalto na última sexta-feira: em entrevista à Rede Globo, após o jogo contra o Equador, pelas eliminatórias da Copa de 2022, o capitão da seleção, o volante Casimiro, afirmou que haveria uma posição pública do elenco na próxima terça-feira, mas que o posicionamento “é claro”. Isso sinalizaria a contrariedade pela realização da Copa América no país.“Não sou eu, não são os jogadores da Europa. Quando fala alguém, falam todos os jogadores, com o Tite, com a comissão técnica. Tem que ser unânime, todos juntos”, disse.

Desde que anunciou a vinda do torneio para o país, apesar dos 472.531 mortos pela covid-19 — segundo os dados de ontem, levantados pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) —, Bolsonaro vem sendo duramente criticado. Mas manteve a decisão e a anunciou ao lado do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Reações

A preocupação fica clara quando se observa a reação dos bolsonaristas nas redes sociais. “Fora Tite” ficou entre os assuntos mais comentados no Twitter. Também começaram a atrelar o técnico ao PT, colocando fotos do tempo em que treinou o Corinthians, ao lado de Luiz Inácio Lula da Silva — que é corintiano —, para construir a narrativa de que a possível decisão da Seleção seria política e para atingir Bolsonaro.

Os parlamentares que apóiam o presidente não economizam teorias, críticas ao técnico, à Seleção e aos jogadores. O deputado federal Coronel Armando (PSL-SC), ex-vice-líder do governo, atacou os atletas afirmando que estão sendo manipulados por Tite e reforça a ideia de que se trata de um movimento político. Para os bolsonaristas, é incoerente não atuar na Copa América e manter o Campeonato Brasileiro, a Copa do Brasil e os jogos das Eliminatórias da Copa do Catar no país.

“É um desgaste que, daqui a pouco, passa. Mas esses caras vão ficar marcados”, diz Armando. Para o parlamentar, se não quiserem jogar, que se troque o técnico e se convoque outros jogadores.

Deputado da base de apoio ao Palácio do Planalto, Bibo Nunes (PSL-RS) classificou o movime nto de protesto dos jogadores como “antipatriotismo e irresponsabilidade”. “Deixa a imagem do Brasil muito ruim. Imagem de que não há unidade e que há desrespeito à CBF e à presidência da República. É uma jogada política: querem menosprezar o presidente”, afirmou.

Bibo carregou nas críticas ao técnico da Seleção. “Quem quer desgaste para o governo está vibrando com isso. Mas o Tite é o grande culpado. Eu não quero jogando pelo Brasil jogadores que não são patriotas. É uma vergonha. O Tite é um esquerdista, mas tem que saber respeitar”, acusou, defendendo que Renato Gaúcho, ex-treinador do Grêmio e que já manifestou simpatias a Bolsonaro, assuma a Seleção.

Fiel defensora do presidente, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) nega que haja desgaste. “Quem está com Bolsonaro está com ele, independentemente de qualquer coisa. Bolsonaro não sofre (com a decisão dos jogadores), quem sofre é o Brasil”, assegurou.

Incoerência

Segundo ela “os bolsonaristas estão reagindo a uma ação do Tite, das pessoas que são contra a Copa América, porque é incoerente (devido às outras competições futebolísticas realizadas no Brasil)”. E salientou: “É bom para a economia, para os brasileiros, para o otimismo. Aí, vem o pessoal e politiza isso, e diz que não pode fazer a Copa América aqui. Se isso não é politização, porque não cancelaram os outros campeonatos? A ação partiu deles de politizar, e a gente está reagindo”.

Cientista político e professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) de São Paulo, Eduardo Grin afirmou que o presidente se desgasta com a situação. Lembrou que o movimento bolsonarista se apropriou do verde amarelo e da camisa da Seleção e, agora, se vê desafiado pelo time. “A ideia de trazer a Copa América, no imaginário bolsonarista, significaria reiterar esse discurso nacionalista, do monopólio da representação nacional. Dada à popularidade do futebol, o fato de a Seleção se negar a jogar tem uma enorme representatividade social e pode fortalecer os movimentos contrários a Bolsonaro”, observou. (Colaborou Vicente Nunes)


Dedaços do Planalto no time “canarinho”

A seleção brasileira tem, na sua história, pelo menos dois episódios de interferência que passaram pelo Palácio do Planalto. No time do tricampeonato de 1970, o presidente Emílio Médici queria de todo jeito que o atacante Dario fosse convocado — algo que só conseguiu depois que João Saldanha foi dispensado do cargo de técnico e Zagallo assumiu o comando da equipe. Já na seleção que foi à Copa da Argentina, em 1978, o capitão do Exército Cláudio Coutinho substituiu o gaúcho Osvaldo Brandão — e cunhou a frase de que o Brasil foi “campeão moral”, pois retornou invicto, mas com o 3º lugar.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Tratamento com remédios anticovid da AstraZeneca não tem resultados positivos
Manhã na Clube: entrevistas com Murilo Hidalgo, Mariana Carvalho e  Elton Gomes
Time de engenheiros se une para montar respiradores 15 vezes mais baratos e salvar milhares de vidas
Manhã na Clube: entrevistas com Marília Arraes, Marcella Salazar e Aurimar Borges Jr
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco