Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CERIMÔNIA

Bolsonaro: 'Exército é a garantia da nossa soberania e da Constituição'

Publicado em: 10/06/2021 13:21

Antonio Cruz/Agência Brasil (Presidente relatou ainda ter sido contrário à criação do Ministério da Defesa, alegando que a pasta surgiu de imposição política e que o país sofreu a partir dali. Ele disse porém, que a corporação "amadureceu"
)
Antonio Cruz/Agência Brasil (Presidente relatou ainda ter sido contrário à criação do Ministério da Defesa, alegando que a pasta surgiu de imposição política e que o país sofreu a partir dali. Ele disse porém, que a corporação "amadureceu" )
Na cerimônia de comemoração aos 22 anos do Ministério da Defesa e de entrega da Ordem do Mérito da Defesa realizada no Clube do Exército, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (10) que o Exército é a "garantia da nossa soberania e da Constituição". No entanto, a Constituição prevê que compete à União, aos estados e aos municípios zelar pelos princípios nela contidos, e, ao Supremo Tribunal Federal (STF) sua guarda.

"O Exército é a garantia da nossa soberania e a garantia também da nossa Constituição. Temos um governo que joga estritamente dentro das quatro linhas da nossa Constituição. Isso é paz para todos. É sinal de harmonia, é sinal de progresso", apontou.

Bolsonaro relatou ainda ter sido contrário à criação do Ministério da Defesa em 1999, defendeu que a pasta surgiu de imposição política e que o país sofreu a partir dali. Ele disse, porém, que a corporação "amadureceu".

"Idos 1999, eu era parlamentar e participei da proposta de emenda à Constituição que criou a Defesa. Ela veio muito mais por uma imposição política do que por uma necessidade militar. Mas mesmo assim ela foi aprovada, sem muita discussão. Apenas três votos contrários à proposta se fizeram presentes naquele momento, entre eles o meu. E essa hora afirmativa minha se notou presente pelas filiações político partidárias que ocuparam a frente do MD, bem como nos cargos de livre provimento. Sofremos muito, eu não estava na ativa, mas acompanhei esse processo de amadurecimento", acrescentou.

O chefe do Executivo ainda elogiou o ex-presidente Michel Temer, que, em sua gestão, colocou no comando da Defesa o general Silva e Luna, que hoje é presidente da Petrobras. "Graças a formação de seus homens, a Marinha, o Exército e a Aeronáutica resistiram firmes naquele momento. O tempo passou, chegamos no governo Temer e ele, pela primeira vez, resolveu colocar na Defesa, à frente do ministério, um oficial general de 4 estrelas, general Silva e Luna. E realmente esse amadurecimento começou-se a acelerar".

"Chegou o nosso governo. Coloque o general Fernando Azevedo e, agora, o general Braga Neto à frente da Defesa. Obviamente, melhores coisas começaram a aparecer. O melhor entrosamento com a nossa Câmara e com o Senado, até porque, prezados (Rodrigo) Pacheco e (Arthur) Lira, nós pertencemos quase que ao mesmo poder. Nós trabalhamos juntos em harmonia e, quando isso acontece, todos ganham no Brasil".

Por fim, o mandatário parabenizou a Defesa e repetiu que a pasta demonstra "grande maturidade". "Vocês, todos meus ministros, senhores militares estão de parabéns. A data de aniversário, apenas 22 anos, demonstra uma grande maturidade de todas as nossa instituições. Estou feliz por estar à frente do destino da nação dentro do Poder Executivo, mas uma grande paz eu tenho, dado ao nível de entendimento, ao comprometimento que têm os nosso militares", concluiu.

Na solenidade também estiveram presentes o vice-presidente, Hamilton Mourão, os presidentes da Câmara, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, já citados, o ministro da Economia, Paulo Guedes, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, além da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, que também recebeu medalha de honra ao mérito, a exemplo de Lira, Pacheco, ministros do governo e o comandante do Exército, general Paulo Sérgio, que decidiu não punir Eduardo Pazuello.

"Forças Armadas disciplinadas"
 
O ministro da Defesa, Walter Braga Netto, afirmou que sua pasta e as Forças Armadas “estão coesas e disciplinadas na preservação dos mais caros valores nacionais”.

"A Defesa e as Forças Armadas estão coesas e disciplinadas na preservação dos mais caros valores nacionais, no propósito de atuarem como vetores de estabilidade nacional para garantir a soberania, a manutenção da paz e da liberdade brasileira”.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Time de engenheiros se une para montar respiradores 15 vezes mais baratos e salvar milhares de vidas
Manhã na Clube: entrevistas com Marília Arraes, Marcella Salazar e Aurimar Borges Jr
Presidente da Argentina faz ataques xenofóbicos ao Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Tadeu Alencar e Túlio Rangel
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco