Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

DECLARAÇÃO

Bolsonaro ironiza pandemia e diz que Covid-19 "matou" o mosquito da dengue

Publicado em: 16/04/2021 15:30 | Atualizado em: 16/04/2021 15:33

Mandatário voltou a colocar em dúvida o número de brasileiros mortos pela doença no país; total passa de 365 mil fatalidades
 (crédito: AFP / EVARISTO SA)
Mandatário voltou a colocar em dúvida o número de brasileiros mortos pela doença no país; total passa de 365 mil fatalidades (crédito: AFP / EVARISTO SA)
O presidente Jair Bolsonaro voltou a colocar em dúvida, nesta sexta-feira (16/4), o número de mortes pela Covid-19 no país. Até o momento, mais de 365 mil brasileiros perderam a vida em decorrência do novo coronavírus. O chefe do Executivo ironizou que não morre mais ninguém de outras doenças e que "até mesmo o mosquito da dengue" teria sido vítima do vírus, já que, segundo ele, os casos de dengue também sumiram.

Segundo Bolsonaro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, entregará um levantamento dos últimos cinco anos constando o número de mortos por outras doenças na próxima reunião do Comitê criado para o combate da pandemia.

"Tivemos uma reunião daquele comitê que trata da covid, né, com presidente da Câmara, Senado, MP, etc. No momento, particularmente, eu resolvo o assunto, mas eu pedi em público, ali, para que o ministro da Saúde, na próxima reunião nossa do conselho, apresente, nos últimos cinco anos, quantas pessoas morreram de cada doença", apontou.

"Tem certas doenças que não morrem mais ninguém. O vírus matou o mosquito da dengue. Então, nós sabemos que está matando esse vírus, sabemos. Em especial quem é mais idoso, etc, mas temos que ter um número concreto", acrescentou.

Ele disse ainda que é necessário averiguar a razão das unidades de terapia intensiva (UTIs) estarem cheias e se realmente se deve a casos da Covid-19. "Parece que só se morre de covid. Você pode ver: os hospitais estão com 90% das UTIs ocupadas. Agora, o que a gente precisa fazer: quantos são de Covid e quantos são de outras enfermidades".

Na quarta-feira (14), ele teceu comentários semelhantes questionando os casos da doença. "Eu mandei o Ministério da Saúde, determinei para levantar o número de óbitos dos últimos cinco anos de certas doenças. Tem doenças que simplesmente o vírus acabou. Várias. Problema de coração parece que acabou no Brasil. Morre pouca gente. Morre de doença respiratória, pouca gente também. Tudo é Covid-19. Lamentamos, morre gente, lamentamos quem perdeu a vida. Tem muita gente, amigos meus que estão em situação complicada, hospitalizados. Sabemos disso, mas temos que enfrentar esse problema. A vida toda vai existir esse vírus, infelizmente", destacou na data.

Vermes
 
Bolsonaro voltou a falar em tratamento precoce, que não possui eficácia comprovada e alfinetou a oposição, chamando-a de "verme". "Criminalizaram o tratamento precoce, o tratamento imediato. Estão processando ministro da Saúde nosso por causa da cloroquina, que é usada há muito tempo para a malária. Não existe excesso de produção aqui", alegou. "A ivermectina mata verme? Então, entendi porque a esquerda é contra", disparou.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Imunização para gestantes começa a ser liberada, mas ainda gera dúvidas
Resumo da semana: briga por terceira via em 2022, adeus a Paulo Gustavo e vacinação de gestantes
ONU pede  investigação independente sobre chacina no Rio
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 07/05
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco