Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

AUXÍLIO EMERGENCIAL

Fim do auxílio emergencial mostra comprometimento com agenda fiscal, diz Sachsida

Publicado em: 08/01/2021 18:40

 (Foto: Ana Rayssa/CB/D.A. Press - 9/7/19)
Foto: Ana Rayssa/CB/D.A. Press - 9/7/19
O presidente Jair Bolsonaro concordou com o fim do auxílio emergencial, apesar dos apelos para que o benefício continuasse sendo pago neste início do ano, porque entendeu a situação fiscal do país. Pelo menos foi o que indicou o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, nesta sexta-feira (08).

"Muita gente estava dizendo que o presidente nunca mais ia abrir mão do auxílio emergencial porque ajudava a popularidade dele. Nós temos um presidente da República que compreendeu a situação fiscal e não foi renovado o auxílio emergencial. Será que não é uma prova do comprometimento com o lado fiscal da economia?", disse Sachsida, em live realizada pelo site Jota, nesta sexta-feira.

O secretário admitiu que "havia um clamor muito grande de vários setores da sociedade pela prorrogação do auxílio emergencial", mas disse que "o presidente foi lá e vetou algo que lhe daria muita popularidade", mostrando que entende a importância de retomar a disciplina fiscal neste ano, como vem pedindo o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Diante dessa "prova" de que o "presidente está alinhado com a agenda de consolidação fiscal", Sachsida se disse confiante na manutenção do teto de gastos e também na aprovação de reformas que podem melhorar a situação das contas públicas brasileiras neste ano, apesar de toda a pressão para a ampliação dos gastos do governo.

Sachsida entende que a consolidação fiscal é a melhor ajuda que o país pode oferecer no momento, pois acredita que a prorrogação do auxílio emergencial traria mais prejuízos do que benefícios, por conta do impacto fiscal do programa. "Há evidências na literatura econômica de que, gastar muito, em vez de ajudar a população, piora, porque a inflação aumenta, aumentam os juros, diminui o investimento, diminui o PIB e aumenta o desemprego", argumentou.

O secretário pediu atenção de todos que estão querendo ajudar a população mais pobre agora que o auxílio emergencial chegou ao fim, mesmo diante do recrudescimento da pandemia e da alta do desemprego. "O auxílio emergencial custa R$ 25 bilhões por mês. Se prorrogar por três meses, são R$ 75 bilhões. É muita pressão do lado fiscal. E o presidente da República aceitou isso", frisou.

Crescimento da economia

Apesar da perspectiva de que o fim do auxílio emergencial pode frear a recuperação da economia brasileira neste início de ano, Sachsida reforçou que o governo espera um crescimento de 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2021.

O secretário admitiu, porém, que este primeiro trimestre ainda será difícil, já que a pandemia segue afetandodo a atividade econômica, sobretudo o setor de serviços, que responde pela maior parte da economia e dos empregos do país, e é altamente dependente do contato social.

No auge da pandemia, um estudo realizado pela Secretaria de Política Econômica (SPE) apontou que uma semana de lockdown custa R$ 20 bilhões ao país. Sachsida, no entanto, garantiu que as novas medidas de isolamento social ainda não afetam a projeção de crescimento do PIB em 2021, já que estão localizadas em poucas capitais do país.

Ele garantiu ainda que não faltarão recursos para o programa de vacinação contra a Covid-19, que, segundo especialistas, será fundamental para a retomada integral da economia, sobretudo do setor de serviços. "Dinheiro para a vacinação não irá faltar. Quem quiser tomar vacina, vai ter vacina. Do que depender da área econômica, vai ter dinheiro e o que for necessário para levar a vacina a todos que quiserem tomar", assegurou.

Por isso, Sachsida reforçou a perspectiva de crescimento da economia brasileira em 2021. Segundo a equipe econômica, o crescimento será puxado por investimentos privados, que virão diante da consolidação fiscal e das reformas econômicas, já que essas medidas podem passar confiança aos investidores e reduzir o custo Brasil.

"É um primeiro trimestre um pouco difícil para a economia brasileira ainda. Mas, ao longo do semestre, os resultados vão começar a aparecer. (...) Vamos ficar firmes ao lado da consolidação fiscal, vamos avançar passo a passo nas reformas estruturantes e na melhora dos marcos legais. Vamos aguentar firme o primeiro trimestre, porque ainda tem um pouco de pandemia, ainda inspira um pouco de cuidado. Mas, ao longo do primeiro semestre, a economia brasileira vai voltando aos poucos", espera o secretário.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enem para todos com Fernandinho Beltrão #126 Introdução ao Reino Protista #127 Classificação
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 18/01
Vacinação é antecipada e começa nesta segunda-feira em todo país
Enem 2020: professores do Colégio Núcleo comentam ao vivo as provas deste domingo
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco