Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CORONAVAC

"Está pensando em tudo, menos na saúde", diz Bolsonaro sobre Doria

Publicado em: 19/10/2020 21:09

 (Foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Foto: Ed Alves/CB/D.A Press

O presidente Jair Bolsonaro voltou a comentar no final da tarde desta segunda-feira (19/10) a fala do governador de São Paulo, João Doria, em tornar obrigatória a vacinação contra a Covid-19 no estado. O chefe do Executivo repetiu que a imunização não será compulsória e atacou indiretamente o tucano, seu desafeto político, dizendo que o mesmo "está pensando em tudo, menos na saúde e na vida". A declaração ocorreu durante evento de anúncio do resultado de um estudo clínico sobre a doença.

"Vou falar sobre uma noticia que está circulando, não é fake news, ela é verdadeira, levando-se em conta o autor, mas na prática, ela é falsa. Tem uma lei de 1975 que diz que cabe ao Ministério da Saúde o Programa Nacional de Imunização, ali incluindo as possíveis vacinas obrigatórias. A vacina contra o covid, como cabe ao MS deferir essa questão, já foi deferida, ela não será obrigatória. Então quem propagado isso aí com toda certeza é uma pessoa que pode estar pensando em tudo, menos na saúde ou na vida do próximo", disparou.

O mandatário completou que é necessário que a vacina passe por todos os trâmites necessários e seja aprovada pela Anvisa: "Dizer mais ainda, nas palavras do ministro Pazuello, estive com ele há pouco tempo, ele é bem claro, que qualquer vacina aqui no Brasil tem que ter a comprovação científica e mais ainda, tem que ser aprovada pela Anvisa. Isso não é toque de caixa, nem de uma hora para outra e nós sabemos que muita gente contraiu e nem sabe que contraiu e já está imunizado. Vai obrigar essa pessoa a tomar essa vacina?", apontou.

Bolsonaro também criticou o custo unitário da vacina em relação ao laboratório da chinesa Sinovac. Comparou com o imunizante que está em desenvolvimento pela Universidade de Oxford, em parceria com o governo federal.

"Por parte dessa fonte (Sinovac), custa mais de 10 dólares. Por outro lado, pelo nosso lado, custa menos de US$ 4. Não quero acusar ninguém de nada aqui, mas se a pessoa está se arvorando e levando terror perante a opinião pública, onde hoje em dia, pelo menos, metade da população diz que não quer tomar essa vacina. Isso é um direito das pessoas. Ninguém pode em hipótese alguma obrigá-las a tomar essa vacina. Então o governo federal, eu repito, não obrigará ninguém a tomar essa vacina", rebateu Bolsonaro, sem dar referência de pesquisas sobre interesse dos brasileiros sobre a vacinação.

Mais cedo, o presidente já havia dito que a vacina contra a Covid-19 "não será obrigatória e ponto final".

Críticas à imprensa

Bolsonaro também criticou a imprensa, que diz ter sido uma das responsáveis a espalhar o caos e tê-lo atacado em relação a pandemia de coronavírus. "Sonho com uma imprensa responsável. Quando tiver, pode ter certeza que o Brasil não vai voar apenas, vai para o espaço porque temos tudo para ser uma grande nação", concluiu.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, não esteva presente na cerimônia. Segundo Bolsonaro — o presidente não deu detalhes — o ministro teve uma indisposição e dirigiu-se ao hospital, mas passa bem.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
OMS alerta para situação do Brasil e México na pandemia
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 30/11
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 01/12
De 1 a 5: Novembro Azul chega ao fim, mas prevenção do câncer de próstata precisa ser permanente
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco