Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

ministro

Salles recua e mantém meta de desmatamento até 2023

Por: FolhaPress

Publicado em: 05/08/2020 15:52

 (Foto: Jose Cruz/Agência Brasil)
Foto: Jose Cruz/Agência Brasil
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, recuou da proposta de substituir a atual meta de redução de desmatamento e queimada ilegais até 2023, prevista no PPA (Plano Plurianual).

Em nota, o Ministério da Economia informou nesta quarta-feira (5) que o Meio Ambiente enviou uma nova formulação do objetivo, mantendo o percentual de 90% de diminuição da destruição de vegetações nativas.

Na proposta anterior, Meio Ambiente havia sugerido trocar a meta pela preservação de 390 mil hectares de vegetação nativa da floresta amazônica até o final da atual gestão.

Só no ano passado, apenas na Amazônia, o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) registrou alertas de desmatamento em uma área de 9,1 mil quilômetros quadrados –o equivalente a 900 mil hectares.

Segundo o Ministério da Economia, apesar de manter o percentual de 90%, a alteração do texto faz com que a responsabilidade pelo atingimento da meta seja compartilhado com outras pastas, como Agricultura, Justiça, Defesa e Infraestrutura.

A meta de 90% foi incluída no PPA por meio de emenda parlamentar de integrantes da Comissão de Meio Ambiente da Câmara dos Deputados.

Em entrevista à imprensa, Salles disse na terça-feira (4) que a mudança foi discutida na semana passada com a Economia e que ficou acordada a adaptação do objetivo do PPA.

"A meta nossa é de 100% da redução do desmatamento ilegal. Em qual prazo? No prazo contido no compromisso brasileiro que é de 2030. Então, o que precisamos fazer? Estabelecer estratégias ano a ano para atingir o compromisso", disse.

Em entrevista à Folha, em junho, Salles já havia reconhecido que não haveria neste ano queda no desmatamento da floresta amazônica na comparação com 2019. Ele ponderou, no entanto, ser possível uma diminuição em 2021.

Em julho, a Amazônia apresentou crescimento de 28% no número de focos de calor em relação ao mesmo período de 2019. O crescimento ocorre mesmo com a presença das Forças Armadas na região.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
Brasil é vítima de desinformação sobre meio ambiente, diz Bolsonaro
Rhaldney Santos entrevista o empreendedor digital Harry Thorpe, criador da plataforma Miauu
Rhaldney Santos entrevista a ginecologista Altina Castelo Branco
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco