Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

MANDATO

Após dossiê de antifascistas, deputadas do PSOL pedem cassação de parlamentar

Publicado em: 04/06/2020 20:02

A entrada do pedido de cassação do mandato do deputado Douglas Garcia foi dada nesta quinta-feira (Foto: Divulgação/Alesp
)
A entrada do pedido de cassação do mandato do deputado Douglas Garcia foi dada nesta quinta-feira (Foto: Divulgação/Alesp )
As deputadas estaduais pelo PSOL-SP Isa Penna e Mônica Seixas, porta-voz da Bancada Ativista, entraram nesta quinta-feira (4) com pedido de cassação do mandato do deputado Douglas Garcia (PSL-SP).

Garcia anunciou em suas redes sociais ter compilado, em um dossiê, nome de pessoas autodenominadas "antifas" (antifascistas). A documentação traria informações pessoais como nome, local de trabalho e foto de cerca de mil indivíduos.

"Filtrando os antifas de outros Estados para encaminhar a deputados estaduais responsáveis para que tomem as devidas providências contra estes terroristas. Vamos criar uma rede de combate ao terrorismo", escreveu o deputado estadual.

Os mandatos do PSOL avaliam o ato como "um claro estímulo à perseguição das últimas manifestações em defesa da democracia do último domingo (31)".

A deputada Isa Penna ainda abriu uma representação no Ministério Público de São Paulo (MP-SP) pedindo que seja investigada a origem de dossiê que tem sido divulgado nas redes sociais, supostamente o mesmo que teria sido consolidado por Douglas Garcia.

"Douglas Garcia coletou informações pessoais de pessoas ideologicamente diferentes dele e divulgou tais informações com um intuito de intimidação e violência", afirma a representação enviada ao MP-SP.

Na tarde desta quinta, o deputado bolsonarista negou que a lista seja a mesma entregue por ele às autoridades. "Essa é uma prática comum desses terroristas, isto é, a desinformação, afim de esconder seus crimes e criminalizar suas vítimas. Eu apenas entreguei um documento que recebi, afirmando claramente que seriam supostos integrantes de grupos antifas", afirmou.

Na segunda-feira (1º), o Ministério Público de São Paulo abriu inquérito civil contra o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) e Edson Salomão, presidente do Instituto Conservador e chefe de gabinete de Garcia, para investigar o uso de recursos públicos em suposto "gabinete do ódio" e na coleta de assinaturas para a criação do partido Aliança pelo Brasil, de Jair Bolsonaro (sem partido).

O órgão irá apurar suposta prática de atos de improbidade administrativa por parte de Salomão, sob ciência e apoio do deputado estadual, ao utilizar computadores, internet e serviços da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), em horário de expediente para promover manifestações de ódio contra figuras públicas nas redes sociais e divulgar postagens do Instituto Conservador.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
03/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco